Rádio Observador

Cinema

Roman Polanski exige em tribunal reintegração na Academia de Hollywood

O realizador tinha sido expulso em maio da entidade que atribui os Óscares e agora recorreu a tribunal para ser reintegrado. Advogados dizem que decisão contra Polanski "não é fundamentada".

Stach Leszczynski/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O realizador Roman Polanski recorreu aos tribunais para exigir a sua reintegração na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que atribui os Óscares, da qual foi expulso em maio, adiantam vários órgãos de comunicação social norte-americanos. De acordo com a agência The Associated Press, os advogados de Roman Polanski recorreram na sexta-feira ao Tribunal Superior de Los Angeles para obrigar a Academia a reintegrar o realizador, expulso em maio do ano passado.

O realizador foi expulso “de acordo com o código de conduta”, adotado em dezembro de 2017 pela Academia, após a expulsão do produtor de Hollywood Harvey Weinstein acusado de abuso e assédio sexual. As acusações foram feitas por cerca de 30 mulheres que trabalham na indústria do cinema, entre elas Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow, Mira Sorvino, Lea Seydoux, Judith Godrèche, Ashley Judd, e Rosanna Arquette. Na altura, Roman Polanski recorreu da decisão, mas em janeiro a Academia rejeitou o recurso.

Os advogados de Polanski alegam que a decisão da expulsão “não é fundamentada por conclusões e que as conclusões da Academia não são apoiadas por provas”.

Para os representantes do realizador, a Academia “falhou no cumprimento das suas regras, políticas e regulamentos”. Além disso, alegam que a expulsão violou uma lei do estado da Califórnia, que exige que as corporações realizem uma audiência justa antes de expulsarem um membro, classificando-o de “abuso prejudicial de julgamento”.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, afirmou um porta-voz da instituição, citado pela Variety, considera que “os procedimentos adotados para expulsar o senhor Polanski foram justos e razoáveis” e “continua a defender que a decisão foi apropriada”.

O código de conduta, adotado em dezembro de 2017, estipula que a Academia não é lugar para “pessoas que abusam dos seus estatutos, poder ou influência de uma forma que viola os padrões da decência”.

A direção passou a poder suspender ou expulsar quem violar o código de conduta ou quem “comprometer a integridade” da Academia de Cinema e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos.

As acusações de abuso sexual e violação ao realizador franco-polaco Roman Polanski, de 85 anos, remontam à década de 1970.

Em 1977, o cineasta reconheceu ter tido relações sexuais com Samantha Geimer, então com 13 anos, na casa de Jack Nicholson, em Los Angeles, enquanto este estava fora em viagem.

Em 2010, a atriz britânica Charlotte Lewis declarou que o realizador a tinha forçado a ter uma relação sexual quando ela tinha 16 anos.

Em 2017, o realizador foi acusado por duas outras mulheres: uma identificada como ‘Robin’ alega ter sido vítima de agressão sexual quando tinha 16 anos, em 1973; Renate Langer assegura ter sido violada por Polanski quando tinha 15 anos.

Roman Polanski venceu em 2003 o Óscar de Melhor Realizador com o filme “O Pianista”. Na altura, não esteve presente porque poderia ser detido nos Estados Unidos, no âmbito do caso de 1977.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)