Sri Lanka

Papa expressa “tristeza” pela “violência cruel” dos ataques mortais no Sri Lanka

113

O Papa Francisco expressou a sua "tristeza" perante os ataques mortais no Sri Lanka neste domingo de Páscoa, mostrando-se próximo de "todas as vítimas de tal violência cruel".

Papa Francisco presidiu à celebração da Missa da Ressurreição de Cristo, mas decidiu não realizar a homilia

RICCARDO ANTIMIANI/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Papa Francisco expressou este domingo a sua “tristeza” perante os ataques mortais no Sri Lanka neste domingo de Páscoa, mostrando-se próximo de “todas as vítimas de tal violência cruel”.

Pelo menos 158 pessoas, entre os quais um português, foram mortas hoje no Sri Lanka numa série de explosões que ocorreram em hotéis e igrejas, onde estava a ser celebrada a missa da Páscoa.

Soube, com tristeza, da notícia dos graves atentados, precisamente hoje, dia de Páscoa, que trouxe dor e luto em várias igrejas e outros locais de encontro no Sri Lanka”, disse o Papa perante milhares de pessoas concentradas na Praça de São Pedro, no Vaticano, a assistir à missa pascal.

“Desejo expressar a minha proximidade afetiva à comunidade cristã, que estava reunida, e a todas as vítimas de tão cruel violência. Confio ao Senhor aqueles que desapareceram tragicamente e rezo pelos feridos e por todos aqueles que sofrem por causa deste evento dramático”, acrescentou o pontífice durante a celebração da missa pascal.

Antes, o Papa Francisco presidiu à celebração da Missa da Ressurreição de Cristo, mas decidiu não realizar a homilia. Na bênção “Urbi et Orbi” (“para a cidade e para o mundo”), o Papa falou dos conflitos e outras dificuldades no mundo.

Além dos atentados registados esta manhã, esta época pascal foi também marcada pelo incêndio da Catedral de Notre Dame, em Paris.

Este domingo, durante a sua tradicional mensagem de Páscoa, o Papa Francisco apelou também a soluções pacíficas para que “as armas parem com o derramamento de sangue da Líbia” e para “favorecer o retorno” dos refugiados na Síria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)