Greve

Greve nos registos com 40% de adesão no atendimento e 80% no ‘back office’, segundo o Sindicato

Segundo o Sindicato Nacional dos Registos, cerca de metade dos serviços são mínimos. Greve de quatro dias foi decretada para reivindicar reformas como a revisão das carreiras e da Lei Orgânica.

MIGUEL A.LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A adesão à greve decretada pelo Sindicato Nacional dos Registos ronda os 80% no ‘back office’ e 40% nos balcões de atendimento, sobretudo no registo civil e nas conservatórias do interior do país, disse à Lusa fonte sindical.

Segundo José Ferreira, do Sindicato Nacional dos Registos (SNR), cerca de metade dos serviços são abrangidos pelos serviços mínimos.

A greve de quatro dias foi decretada para reivindicar reformas em matérias como a revisão de carreiras, o estatuto remuneratório e a Lei Orgânica.

O SNR reivindica a “regulamentação do ingresso e de ocupação dos postos de trabalho nas carreiras especiais de conservador de registos e de oficial de registos, regulamentação da formação profissional inicial específica e contínua nas carreiras especiais de conservador e de oficial de registos” e um “diploma com determinação do número de posições remuneratórias e identificação dos respetivos níveis remuneratórios”.

De acordo com o Ministério da Justiça, os serviços mínimos decretados abrangem a entrega do cartão de cidadão urgente e extremamente urgente, os pedidos e emissão e entrega de cartão de cidadão provisório, a realização de casamentos civis urgentes (em situação de parto iminente ou de risco de vida de um dos nubentes), a realização de casamentos civis agendados antes do aviso de greve e a realização de testamentos em situação de risco de vida de um dos nubentes.

O Ministério recorda ainda que, em alternativa ao atendimento presencial, os cidadãos e empresas poderão recorrer aos serviços online do Portal de Serviços Públicos (eportugal.gov.pt) ou do Portal da Justiça (justica.gov.pt), onde se podem fazer pedidos de segunda via do cartão de cidadão (necessário em caso de perda ou de roubo), a renovação do cartão de cidadão para maiores de 60 anos, pedidos de alteração da morada no cartão de cidadão, pedidos e/ou consulta de certidões e atos de registo civil, predial, comercial ou automóvel e agendamentos do atendimento para diversos serviços (cartão de cidadão, passaporte eletrónico português, registo civil, registo predial).

Além desta greve nacional, decorre uma outra, hoje e no dia 26, dos trabalhadores da Conservatória do Registo Civil de Paredes, e durante toda a semana, em Paços de Ferreira.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado (STRN), a greve em Paredes e Paços de Ferreira teve hoje uma adesão de 100%.

A greve em Paredes e Paços de Ferreira tem que ver com a falta de condições das conservatórias.

O STRN destaca a avaria, há mais de cinco meses, da plataforma de cadeira de rodas de acesso à conservatória de Paredes, privando os cidadãos de mobilidade reduzida, assim como os pais que transportam filhos menores em carrinho de bebé, de se dirigirem àquelas instalações.

Aponta ainda as instalações inadequadas, a iluminação em mau estado, o mau estado de conservação das casas de banho e falhas na segurança dos trabalhadores.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)