Rádio Observador

CPLP

Guiné Equatorial queixa-se de “campanha” com “declarações imaturas” contra o país na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Vários países, incluindo Portugal, abordaram a permanência da Guiné Equatorial na CPLP por ainda não ter abolido a pena de morte. O embaixador Tito Mba Ada acusa os países de "interesses ocultos".

A Guiné Equatorial reagiu em comunicado

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Guiné Equatorial denunciou esta segunda-feira junto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) o que considera ser uma “campanha” contra o país, promovida por “interesses ocultos” e criticou “declarações imaturas na praça pública”, sem referir nomes.

Nos últimos dias, governantes e ex-governantes de vários países da CPLP, entre os quais Portugal, Angola, Cabo Verde e Timor-Leste abordaram a permanência da Guiné Equatorial na CPLP, lembrando que o país não aboliu a pena de morte.

Reagindo através de um comunicado, a missão equato-guineense liderada pelo embaixador Tito Mba Ada, denunciou a campanha “que chega ao ponto de preconizar a expulsão do país” desta organização, sublinhando que a CPLP tem regras, estruturas e órgãos decisores próprios.

Sem nomear países, a missão salienta que “declarações imaturas na praça pública, com a pretensão de rodear os mecanismos de funcionamento da CPLP são um passo para a destruição desta organização. E passa ao contra-ataque, referindo que o acompanhamento à integração do país prometido na cimeira de Díli “não foi consumado” pelo que “não é honesto e não é legítimo apresentar ultimatos à participação de um Estado-membro de pleno direito nas cimeiras da Comunidade”

Além disso, a Guiné Equatorial “aguarda apoio técnico” pedido a Portugal há mais de três anos para encontrar possíveis alternativas jurídicas à pena de morte, sem obter resposta.

O comunicado sublinha que “a abolição da pena de morte no país é um facto” e que a pena não voltará a ser aplicada, mas acrescenta que as alternativas jurídicas “são mais difíceis de atingir”.

E lamenta que a Guiné Equatorial seja “obsessivamente apresentada como o mais vil sistema de governo do mundo” quando outros países da Comunidade “em que a aplicação da pena de morte é comum, o atropelo dos direitos humanos é normal e o trabalho infantil é largamente utilizado” não são alvo de críticas.

“Países há, na Comunidade, que praticam a ingerência nos assuntos internos dos outros Estados-membros (…) e ninguém critica; países há, na Comunidade, que ocupam a maioria dos postos de trabalho da CPLP como se a organização fosse sua, e ninguém critica; países há, na Comunidade, que só atiram pedras à Guiné Equatorial e ninguém critica; países há, na Comunidade, que não facilitam vistos aos estudantes, e ninguém critica. Só estes são os bons”, indigna-se a missão.

A concluir, a missão deseja “que as almas mais sensíveis não preconizem e apoiem, finalmente, uma ‘primavera africana'” pois “já há suficientes desastres humanitários no mundo.

O país ditatorial, antiga colónia espanhola liderada por Teodoro Obiang desde 1979, aderiu à CPLP em 2014 mediante um roteiro de adesão, que incluía os compromissos de promover e difundir a língua portuguesa e a abolição definitiva da pena de morte, que ainda não aconteceu, apesar ter sido adotada uma moratória.

No dia 14 de abril, o primeiro-ministro português, António Costa, disse que se a Guiné Equatorial queria permanecer na CPLP teria “que se rever” num “quadro comum” que não inclui a pena de morte e referiu que a “CPLP é um espaço democrático, respeitador do Estado de direito e sem pena de morte”.

No dia seguinte, também o Presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, se pronunciou publicamente sobre a pena de morte, proclamando-se um acérrimo defensor do seu fim e referindo que “a CPLP tem um quadro de princípios, valores e metas” que ele conhece e que o seu homólogo Teodoro Obiang “também conhece”.

Também nesse dia, o chefe da diplomacia angolana, Manuel Augusto, defendeu ser necessária “alguma pressão” sobre a Guiné Equatorial, referindo que a identidade da CPLP tem princípios inegociáveis e que a abolição da pena de morte é um deles”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) Augusto Santos Silva, reiterou, por seu lado, no dia 16, que o que se concretizou até agora foi uma moratória que tem suspendido a aplicação desta pena, mas quando a Guiné Equatorial foi admitida na Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) o compromisso era eliminar a pena capital do seu ordenamento jurídico

O ex-presidente timorense José Ramos-Horta pressionou a Guiné Equatorial no dia 17 afirmando que a participação da Guiné Equatorial na próxima cimeira da comunidade lusófona devia ser condicionada à abolição da pena de morte antes da realização do encontro.

A Agência Lusa tentou contactar o ministério dos Negócios Estrangeiros e a CPLP, o que não foi possível até ao momento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)