Restaurantes

Panda: o restaurante sem conceito do chef Pedro Moura Bessa

771

Foi responsável pela febre das hamburguerias no Porto e regressa agora ao sítio onde foi feliz com o primeiro restaurante a solo, onde mistura influências e inspirações em pratos para partilhar.

Pedro Moura Bessa regressa dia 24 à Praça D. Filipa de Lencastre, desta vez com o seu primeiro restaurante a solo.

Ricardo castelo

Autor
  • Maria Martinho

Foi em 2013 que o Porto ouviu falar pela primeira vez de Pedro Moura Bessa, um dos sócios do Munchie, a primeira casa na cidade onde os hambúrgueres eram reis e comiam-se à mão. O sucesso foi tão grande que os espaços multiplicaram-se e as filas à porta eram mais do que muitas. Antes disso, Pedro já tinha passado pelas cozinhas de restaurantes como a Casa de Pasto da Palmeira, na Foz, ou a Horta dos Reis, em Vila Nova de Gaia, deixando o curso de direito para trás por amor aos tachos.

Depois de três anos à frente do Munchie, Moura Bessa começou a fazer jantares de grupos privados até que no ano passado partiu para San Sebastián, para estudar cozinha na Basque Culinary Center. No seu projeto de final de curso defendeu um restaurante de comida saudável, refletindo sobre esse mesmo conceito, inspirando-se no panda. “Apesar de ser um animal omnívoro, alimenta-se de bambu e é por isso vegetariano. Passa a vida a comer e a dormir, é preto, branco e asiático, é um bocadinho de tudo e este restaurante também é isso, uma fusão de várias coisas”, explica o chef em entrevista ao Observador.

Natural do Porto, o chef Pedro Moura Bessa deixou o curso de direito para trás por amor à cozinha. (Foto: Ricardo Castelo)

O Panda, nome que batizou o seu primeiro restaurante próprio, é o “resultado de vários anos de maturação e de muitas ideias na cabeça”, onde os tacos mexicanos e os ceviches peruanos chegaram a ser uma opção, num projeto que deu “milhares de voltas”. “Toda a gente me pergunta ‘qual é o conceito?’ e isso irrita-me um bocadinho, parece que hoje em dia tudo tem de ter um conceito. Não há um conceito, é um restaurante de comida que pode ir variando, não estamos presos a nada.” Aqui o chef garante não seguir modas e servir apenas o que gosta e o que se identifica, “seja isso mais ou menos saudável”. “Tive muito tempo parado e sentia uma grande expetativa em mim e no que eu ia fazer no futuro. O risco é muito maior agora, afinal, é o meu primeiro projeto sozinho.”

Comida de conforto para partilhar

Com “milhares de pratos” na cabeça, Pedro confessa que o mais difícil foi sintetizar a carta e colocar no papel toda a sua identidade e irreverência. A aposta na comida equilibrada e de conforto foi uma das premissas do novo espaço, que pretende “servir um pouco de tudo”, das saladas de gambas ou rosbife aos pratos mais compostos e elaborados.

Carpacio de roastbeef

Ricardo castelo

Bacalhau confiado com açorda de ovas, massa com morcela e pera asiática, tártaro de atum, tabboulet de frango marinado em curcuma cozido a baixa temperatura, bochechas de porco com cogumelos, cenouras baby e molho blanquette, burrata, pimento assado e tomate cherry, carpaccio de rosbife com espinafres e maionese ou costelinhas barbecue com batatas fritas em palito e três molhos são alguns exemplos do que pode experimentar. A matéria-prima é local, a carne vem do Talho na Avenida, no Bonfim, e o peixe da lota de Matosinhos ou do Mercado de Angeiras. Como os doces não são a praia do chef, deixa-os para as mãos de quem sabe, a sua mãe. “Já no Munchie era ela que fazia a tarte de Snickers, hoje chegou uma de Twix, mas ainda não a provei”, conta. Além dos bolos gulosos, há pudim abade de priscos com gelado de tangerina e suspiros de cítricos com raspas de chocolate e regados com mel.

Ao almoço o Panda irá funcionar com pratos do dia, tendo opções de carne, peixe e vegetarianas, onde haverá uma base de hidratos, como massa, bulgur ou quinoa e depois a proteína para quem a desejar. Já ao jantar as sugestões da carta querem-se para partilhar e o preço médio começa nos 25€. O piso térreo conta com mesas altas e funcionará como bar com sumos e cocktails, para um aperitivo enquanto espera pela sua mesa ou para brindar após o jantar.

Um armazém de bicicletas que agora é uma selva

Com a venda do Munchie, Pedro Moura Bessa ficou com um espaço umas portas ao lado, o antigo armazém da loja mais antiga de bicicletas do Porto, a Velo Invicta Capas Peneda, fundada em 1944.

Ricardo castelo

A remodelação foi total, “do teto ao chão”, sendo que o objetivo era uma decoração exótica inspirada numa selva, onde o branco, as madeiras claras e os apontamentos verdes das plantas saltam mais à vista. A luz divide-se entre os candeeiros de palha e a luz natural que entra das portadas antigas, a loiça é minimalista e há pratos tribais distribuídos pelas paredes. Numa sala com 78 lugares sentados, o destaque vai para a mesa redonda comunitária com troncos de bambu no centro e para o peluche gigante de um panda ao cimo das escadas.

Em breve o restaurante terá direito a uma esplanada com vista para a Praça D. Filipa de Lencastre, morada onde o Munchie abriu pela primeira vez. “Fazia sentido ser aqui, foi onde tudo começou, voltar exatamente à mesma praça é ótimo. Esta zona tem perdido um bocadinho vida, espero que reanime.”

Terça a quinta, das 12h30 às 23h; sexta, sábado e domingo, das 12h30 às 02h. 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)