Os portugueses devem receber em média, este ano, reembolsos de IRS superiores a 30% face ao ano passado, diz esta segunda-feira o Jornal de Negócios. Já era previsto que as famílias portuguesas recebessem mais este ano em termos de IRS, mas ainda não se sabe a extensão desse aumento, tendo então o Negócios realizado uma simulação, em conjunto com a consultora PwC.

De acordo com os dados divulgados, os pensionistas e agregados familiares com salários mais baixos serão aqueles que verão um maior aumento face ao ano passado, com uma subida média de reembolso de 72%. No caso de contribuintes com e sem filhos que ganhem mil euros mensais, os reembolsos devem subir 41% face ao último ano, prevê a simulação. Esse aumento deve significar, no caso de casados com dois filhos, um reembolso de 196,56 euros.

Um aumento geral destes reembolsos que, segundo Manuel Faustino, antigo diretor do IRS, vêm de “uma poupança forçada”, já que os aumentos só acontecem porque o Estado carregou nos impostos mais do que devia através da retenção na fonte, no ano passado. Prevê-se que os reembolsos totais rondem os três mil milhões de euros, depois de se terem fixado nos 2,7 mil milhões no ano passado.