Rádio Observador

Sismo

Sismo de magnitude 6.3 registado nas Filipinas. Subiu para 16 o número de mortos confirmados

Pelo menos 16 pessoas morreram e 24 estão ainda desaparecidas, por desabamento de dois edifícios. O epicentro foi registado a 60 km da capital.

O epicentro foi registado a 60 quilómetros de Manila (a noroeste), a uma profundidade de 40 quilómetros

Um sismo de magnitude 6.3 foi registado na zona central das Filipinas esta segunda-feira, afirmou a Reuters citando a U.S. Geological Survey (USGS). Segundo uma testemunha ocular citada pela mesma agência noticiosa, vários edifícios no distrito financeiro de Manila agitaram durante o abalo.

O epicentro foi registado a 60 quilómetros de Manila (a noroeste), a uma profundidade de 40 quilómetros. O USGS inicialmente afirmou que a magnitude era de 6.4 mas depois atualizou o registo.O sismo ocorreu às 17:11 locais (10:11 em Lisboa) com o epicentro a uma profundidade de 40 quilómetros, indicou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

As autoridades filipinas aumentaram esta terça-feira para 16 o número de mortos causado por um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter registado no norte do país na segunda-feira, que provocou o desmoronamento de edifícios. Ainda estão 24 pessoas desaparecidas, por desabamento de dois edifícios: três na vila de Porac, outras duas em Lubao, disse o governador de Lubao à ABS-CBN, uma cadeia de televisão filipina.

De acordo com as informações avançadas esta terça-feira, as autoridades continuam a tentar resgatar pelo menos 30 pessoas presas nos escombros causados pela queda de um supermercado.

Entre as vítimas mortais, 15 registaram-se na província de Pampanga, no centro da ilha de Luzón, a cerca de 100 quilómetros de Manila, onde o terramoto foi sentido com muita intensidade, segundo o Centro Nacional de Gestão de Desastres.

O sismo provocou ainda um corte de energia que dificultou muito o trabalho dos socorristas durante a noite.

A governadora de Pampanga, Lília Pineda, pediu esta terça-feira que seja declarada o mais depressa possível o “estado de calamidade” naquela província “para poder ajudar rapidamente as famílias das vítimas cujas casas sofreram danos”.

As equipas de resgate encontraram mais corpos durante a noite nos escombros de um supermercado que caiu depois do terramoto que danificou edifícios e um aeroporto no norte das Filipinas.

Os socorristas usaram guindastes, pés-de-cabra e cães pisteiros para procurar pessoas nos escombros, algumas dos quais continuavam a gritar por ajuda.

Durante as operações foram utilizados tubos para bombear oxigénio, na esperança de ajudar as pessoas presas a respirar.

Esta terça-feira, as equipas de resgate conseguiram retirar dos escombros mais uma pessoa com vida.

Até esta terça-feira de manhã, foram registadas mais de 400 réplicas do terramoto, embora apenas oito tenham sido percetíveis, de acordo com o Instituto de Vulcanologia e Sismologia das Filipinas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)