Sismo

Sismo de magnitude 6.3 registado nas Filipinas. Subiu para 16 o número de mortos confirmados

Pelo menos 16 pessoas morreram e 24 estão ainda desaparecidas, por desabamento de dois edifícios. O epicentro foi registado a 60 km da capital.

O epicentro foi registado a 60 quilómetros de Manila (a noroeste), a uma profundidade de 40 quilómetros

Um sismo de magnitude 6.3 foi registado na zona central das Filipinas esta segunda-feira, afirmou a Reuters citando a U.S. Geological Survey (USGS). Segundo uma testemunha ocular citada pela mesma agência noticiosa, vários edifícios no distrito financeiro de Manila agitaram durante o abalo.

O epicentro foi registado a 60 quilómetros de Manila (a noroeste), a uma profundidade de 40 quilómetros. O USGS inicialmente afirmou que a magnitude era de 6.4 mas depois atualizou o registo.O sismo ocorreu às 17:11 locais (10:11 em Lisboa) com o epicentro a uma profundidade de 40 quilómetros, indicou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

As autoridades filipinas aumentaram esta terça-feira para 16 o número de mortos causado por um sismo de magnitude 6,1 na escala de Richter registado no norte do país na segunda-feira, que provocou o desmoronamento de edifícios. Ainda estão 24 pessoas desaparecidas, por desabamento de dois edifícios: três na vila de Porac, outras duas em Lubao, disse o governador de Lubao à ABS-CBN, uma cadeia de televisão filipina.

De acordo com as informações avançadas esta terça-feira, as autoridades continuam a tentar resgatar pelo menos 30 pessoas presas nos escombros causados pela queda de um supermercado.

Entre as vítimas mortais, 15 registaram-se na província de Pampanga, no centro da ilha de Luzón, a cerca de 100 quilómetros de Manila, onde o terramoto foi sentido com muita intensidade, segundo o Centro Nacional de Gestão de Desastres.

O sismo provocou ainda um corte de energia que dificultou muito o trabalho dos socorristas durante a noite.

A governadora de Pampanga, Lília Pineda, pediu esta terça-feira que seja declarada o mais depressa possível o “estado de calamidade” naquela província “para poder ajudar rapidamente as famílias das vítimas cujas casas sofreram danos”.

As equipas de resgate encontraram mais corpos durante a noite nos escombros de um supermercado que caiu depois do terramoto que danificou edifícios e um aeroporto no norte das Filipinas.

Os socorristas usaram guindastes, pés-de-cabra e cães pisteiros para procurar pessoas nos escombros, algumas dos quais continuavam a gritar por ajuda.

Durante as operações foram utilizados tubos para bombear oxigénio, na esperança de ajudar as pessoas presas a respirar.

Esta terça-feira, as equipas de resgate conseguiram retirar dos escombros mais uma pessoa com vida.

Até esta terça-feira de manhã, foram registadas mais de 400 réplicas do terramoto, embora apenas oito tenham sido percetíveis, de acordo com o Instituto de Vulcanologia e Sismologia das Filipinas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Clima

As crianças que lutam por um mundo pior /premium

Alberto Gonçalves
1.204

Na idade da menina Alice e do menino Gil, fiz diversas greves à escola a pretexto do clima: mal o sol aquecia, trocava as aulas pela praia. Faltou-me ser entrevistado pelos “media”.

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)