Rádio Observador

Atualidade

“Irra que é feio!” Este SUV assustou os americanos

O Salão de Nova Iorque elegeu o modelo mais feio entre todos os expostos na Big Apple. E, de forma quase unânime, a escolha recaiu no Karlmann King, um SUV que não deixa ninguém indiferente.

O Salão de Nova Iorque teve surpresas de todos os tipos, dos automóveis mais acessíveis aos modelos mais dispendiosos, passando pelos mais desportivos e potentes, mas também pelos mais espaçosos e familiares. E se havia veículos apaixonantes, um deles foi criticado por ser particularmente feio. A estética é algo muito pessoal, pois o que alguém detesta pode ser apreciado por outros. Em último caso, o que interessa mesmo, quando se produz um novo veículo, é determinar se, no final, haverá clientes suficientes para adquirir – e de preferência rapidamente – toda a produção.

O modelo que suscitou tanta repulsa foi o Karlmann King – basta ler Jalopnik, que tanto ofende o fabricante como os seus potenciais clientes –, SUV de que falámos no início de 2018. Embora com uma produção limitada a 10 unidades, a Karlmann decidiu levar o King a Nova Iorque, talvez porque ainda não tenha conseguido escoar todos os exemplares deste “espécime”. O que não admira, uma vez que cada SUV é transaccionado por 2,2 milhões de dólares, cerca de 1,9 milhões de euros, um valor bastante superior ao que a marca exigia há 12 meses.

O Karlmann King foi desenhado como de fosse um avião caça furtivo, daqueles que não é “apanhado” pelos radares. Cheio de ângulos e de dimensões monstruosas, o curioso é que o King não passa despercebido mesmo a um míope. Propriedade dos chineses da IAT, mas concebido e fabricado na Europa, não nos parece que tenha sido a estética a irritar mais os jornalistas americanos. A explicação para o desagrado deverá ser encontrada junto do facto de, apesar do preço elevado, o King ser na realidade uma pick-up Ford F550, um modelo considerado pela marca americana como Heavy  Duty, com um peso de 3.900 kg. E todos sabemos o eficaz que são, em termos de conforto e comportamento, os chassis de longarinas dos camiões.

Outro detalhe que não deverá ter caído bem junto dos visitantes do salão foi a mecânica, pois quem paga 2,2 milhões de dólares exige um motor com mais nobreza do que o 6.8 V10 a gasolina, com 367 cv. Potência que pode impressionar num Focus, mas não num monstro que pesa 5 toneladas na versão normal, e 6,6 se for blindado. Isto, aliado ao comportamento menos eficaz, explica que o Karlmann King não passe dos 140 km/h, com a aceleração de 0-100 km/h a ser medida quase em minutos…

Outro “contra” deste SUV com ar ameaçador residirá na sua duvidosa qualidade de construção. Com um habitáculo concebido para apenas quatro adultos, o King oferece espaço e pele – mesmo de crocodilo, para deixar os ambientalistas furiosos –, mas os acabamentos não impressionavam após uma análise mais minuciosa. E os faróis também tão, pois o modelo exposto tinha um deles convertido num aquário, tal a quantidade de água que entrou na lavagem. Mas se os chineses da IAT aplicarem a conhecida máxima que diz que o mais importante não é que falem bem de um produto, o que interessa é que falem, é possível que estejam satisfeitos.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)