Banif

Luis Amado e Jorge Tomé dizem que recusa de crédito punha em risco recapitalização do Banif

Os ex-responsáveis da administração do Banif defenderam que "para salvar o banco era preciso salvar o grupo [Rentipar]". Foram ouvidos como testemunhas no julgamento de ex-membros do Conselho Fiscal.

O julgamento ocorreu no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, em Santarém

ANTONIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Luís Amado e Jorge Tomé, ex-responsáveis da administração do Banif, defenderam esta terça-feira em tribunal que se a instituição tivesse recusado o crédito aos principais acionistas teria posto em risco a recapitalização do banco.

“Para salvar o banco era preciso salvar o grupo [Rentipar]”, defendeu esta terça-feira no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, Luis Amado, que entre 2012 e 2015 exerceu o cargo de presidente do Conselho de Administração do Banif.

Ouvido como testemunha no julgamento do recurso de três ex-membros do Conselho Fiscal do Banif às coimas aplicadas pelo Banco de Portugal (BdP) em julho de 2018, o ex-presidente da instituição admitiu ter conhecimento de que “existia um problema de exposição excessiva” relativamente aos créditos da instituição que ultrapassavam o limite de 10%, violando, alegadamente, a legislação e as recomendações do BdP.

Porém, afirmou, “a decisão [da administração] foi reduzir a exposição e reforçar as garantias” para o banco que tinha entre os principais credores os maiores acionistas, através da fundação e das empresas do grupo Horácio Roque.

Jorge Tomé, presidente da Comissão Executiva no mesmo período, ouvido também como testemunha, reiterou ao tribunal o mesmo entendimento afirmando que “se não fossem prorrogados os créditos ia-se criar um problema de maior amplitude e pôr em risco a recapitalização do banco”, através da injeção de capital maioritariamente público.

Os dois responsáveis pelo banco foram as primeiras testemunhas ouvidas no âmbito do recurso interposto por Fernando Teixeira de Almeida, António Neto da Silva e José Tranquada Gomes, respetivamente, presidente e vogais do Conselho Fiscal do Banif no período entre 2010 e 2012.

No julgamento que esta terça-feira arrancou no TCRS, em Santarém, os três arguidos contestam as coimas aplicadas pelo BdP, em julho de 2018, depois de terem sido acusados de terem dado pareceres favoráveis a propostas de crédito à Fundação Horácio Roque, à Vestiban e à Espaço Dez, dominadas direta ou indiretamente pela Herança Indivisa de Horácio Roque.

O BdP considerou que o Conselho Fiscal não só não alterou para o incumprimento do limite de 10% como nada fez para impedir a aprovação de novas operações e de prorrogações de operações de crédito existentes.

Deram ainda parecer favorável à aprovação de várias operações de concessão de crédito ou de prorrogação do mesmo em excesso do limite imposto pelo Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF).

O tribunal previa que a audição a Luis Amado decorresse durante a manhã e que Jorge Tomé fosse ouvido à tarde, mas os dois acabaram por testemunhar de manhã, tendo ficado suspensa a sessão agendada para a tarde.

O julgamento deveria prosseguir na quarta-feira de manhã, mas o mandatário dos arguidos, Nuno Salazar Casanova, prescindiu da testemunha Carlos Pais Jorge. A sessão da tarde está dependente da opção de João Machado dos Santos prestar ou não depoimento, estando também já agendada uma nova sessão para dia 29 às 9h30.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)