Rádio Observador

Desporto

Nem o corte de cabelo chegou. Ronnie O’Sullivan eliminado por amador na ronda inicial do Mundial de snooker

432

Ronnie O'Sullivan, n.º 1 do ranking e cinco vezes campeão do mundo de snooker, perdeu com o amador James Cahill na ronda inicial do Mundial. "A maior surpresa de sempre em Mundiais", diz o Eurosport.

O inglês de 43 anos estava à procura do sexto Campeonato do Mundo da carreira

James Cahill já estava a fazer história simplesmente por estar entre os grandes no mítico Crucible Theater, em Sheffield. O inglês de 23 anos tornou-se o primeiro jogador de snooker amador a qualificar-se para o Campeonato do Mundo da modalidade, que arrancou no passado sábado. O sorteio ditou que na estreia, logo na ronda inicial, Cahill iria enfrentar Ronnie O’Sullivan, campeão do mundo em cinco ocasiões e atual número 1 do ranking. E o jovem inglês decidiu prosseguir a escrever mais uma página na história do snooker: eliminou O’Sullivan, tido como o melhor jogador de snooker de todos os tempos, logo na primeira ronda.

A “maior surpresa de sempre em Campeonatos do Mundo”, como está a ser chamada, começou ainda esta segunda-feira, quando James Cahill chegou ao final da primeira parte da eliminatória a vencer por 5-4. Já durante a manhã desta terça-feira, Ronnie O’Sullivan surpreendeu ao aparecer com o cabelo rapado — no dia anterior, tinha o cabelo mais comprido — mas nem a mudança de visual ajudou a dar a volta ao resultado. Nos instantes finais da partida, perante um abatido O’Sullivan, Cahill sentenciou o resultado em 10-8 e eliminou o veterano, que procurava o sexto título mundial da carreira.

O inglês de 43 anos, que se considera “o melhor de sempre”, atribuiu as culpas à insónia e ao cansaço mas congratulou o adversário. “Os meus braços estão muito pesados, estou desidratado, não tenho energia, estou a lutar para me manter acordado. Sinto-me absolutamente horrendo. Para estar aqui é preciso sentirmo-nos bem. Mentalmente, estava pronto, tive uma boa temporada e tentei aguentar-me ali. Mas ele chegou aqui a jogar de uma forma brilhante. É justo”, reconheceu Ronnie O’Sullivan ao Eurosport.

Já James Cahill, que na segunda ronda vai encontrar o escocês Stephen Maguire, recusou a ideia de que a vitória é uma surpresa. “Sempre acreditei em mim e sempre acreditei que podia vencer qualquer um. E mostrei isso hoje [terça-feira]”, atirou o jogador inglês. A admirável confiança a roçar a arrogância, porém, não é uma novidade. Antes da partida mas já depois do sorteio, Cahill garantiu que era capaz de eliminar Ronnie O’Sullivan durante uma entrevista ao Eurosport e pediu para não o deixarem fora da corrida. “Não me importo de jogar contra ele. Não me importo de jogar contra ninguém. Eu sei que é o sorteio mais difícil. Já joguei contra ele três vezes e joguei sempre bem. Já provei que posso vencer bons jogadores”, disse o inglês.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)