O novo Real, dos cinco de saída aos três pendentes

, por Bruno Roseiro