Rádio Observador

Celebridades

Nicole Kidman, a atriz “que não pára de brilhar” e a “mãe impopular” que proíbe os filhos de usarem telemóvel

148

Com a carreira de vento em popa, a atriz é a mais recente capa da Vanity Fair, que percorre o sucesso de "Big Little Lies", a vida em Nashville, a relação com a prole, e os desafios aos 51 anos.

Aos 51 anos, a atriz australiana não dá sinais de abrandar, ocupando com sucesso o pequeno ecrã

AFP/Getty Images

Fotografada por Collier Schorr, a “celestial” Nicole Kidman ocupa a primeira página da revista Vanity Fair, numa produção meio andrógina que revalida o seu perfil “camaleónico” e a sua capacidade de se reinventar, sobretudo a partir “daquela idade em Hollywood em que historicamente as mulheres — especialmente as atrizes principais — são forçadas a desvanecerem, talvez a agarrarem um papel na Brodway ou um cameo à medida que as luzes se apagam. Em vez disso, Kidman brilha mais do que nunca”, descrevem.

Aos 51 anos, a atriz australiana passa em revista um 2018 bem preenchido e sucedido, a vida em Nashville, onde se instalou há 13 anos com o marido, o músico de country Keith Urban, a agradável rotina de “tour wife”, a capacidade de memória, a queda para os números, ou ainda os mais de 30 anos sem fazer televisão — recorde-se que a segunda temporada de “Big Little Lies” estreia-se no próximo mês.

O número de maio da publicação revê a “carreira prolífica” de uma estrela que não dá sinais de parar de brilhar. Ainda esta primavera, a Blossom Films começa a filmar “The Undoing”, uma série em seis partes baseada no livro “You Should Have Known”, de Jean Hanff Korelitz. Dirigida por Susanne Bier, conta com ela no elenco, que dividirá o ecrã com Hugh Grant e Donald Sutherland. David E. Kelley, o mesmo de “Big Little Lies”, volta assinar o argumento e produção-executiva.

E por falar na série que valeu a Kidman troféus como o SAG Award, Globo de Ouro ou Emmy, o artigo socorre-se dos comentários de outra veterana, Meryl Streep, recrutada para o elenco e que confessa ter chegado a temer por Nicole na segunda temporada, dada a intensidade de algumas cenas. Streep faz de sogra de Celeste, a personagem desempenhada por Kidman, e é mais um motivo de peso para aguçar a curiosidade dos fãs.

Há ainda espaço para uma série de revelações do foro doméstico, por parte de uma Nicole que chega à entrevista “sem um pingo de maquilhagem”, vestida de forma descontraída e ainda munida de café, água e maçãs. Quando o assunto são os filhos, sejam eles Connor e Isabella, da fase Tom Cruise, ou Sunday Rose e Faith, Kidman é perentória, admitindo que as suas regras parentais podem torná-la uma mãe “impopular” (pelo menos no que toca aos mais novos, já que a dupla mais velha já saiu debaixo da asa materna há algum tempo): “Não têm telemóvel e não os deixo terem Instagram”, frisa. “Tento manter algumas fronteiras”. Quanto a Connor, vive da música, e Isabella, já casada, gere uma linha de t’shirts. As mais novas, Sunday e Faith, têm 10 e 8 anos, respetivamente, e é sobre elas que incide este controlo do acesso às redes.

De novo de volta à idade e aos desafios que o envelhecimento pode trazer, em especial na sua área, as palavras estão em sintonia com as imagens e o styling: “Já não é possível estar na prateleira como se costumava estar”, garante Nicole. “É por isso que é tão importante continuar em mudança. Vive-se mais hoje, se tivermos essa sorte. Temos que encontrar um lugar para pôr toda a nossa energia criativa”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)