Rádio Observador

Assalto em Tancos

Tancos. Tenente-coronel da GNR do Algarve é o novo arguido no processo

171

O Chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal da GNR do Algarve é suspeito dos crimes de associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação e de falsificação de documento.

Luís Sequeira, chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal da GNR do Algarve, foi ouvido na comissão de inquérito a Tancos em março

O tenente-coronel Luís Sequeira, chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal da GNR do Algarve, foi constituído arguido no processo relativo ao furto de arma de guerra do paiol de Tancos. Segundo uma nota de imprensa divulgada esta quarta-feira pelo Ministério Público, o arguido foi ouvido terça-feira em primeiro interrogatório judicial e saiu em liberdade, embora suspenso de funções, e proibido de se ausentar do país.

O arguido foi indiciado pela prática dos crimes de associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação e de falsificação de documento.

O Ministério Público submeteu, esta terça-feira, a interrogatório judicial um arguido por factos praticados enquanto Chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal, no âmbito do inquérito em que se investigam as circunstâncias em que ocorreu o furto de material de guerra no Paiol de Tancos”, lê-se no comunicado.

A investigação que se encontra em segredo de justiça tem, neste momento, um total, 21 arguidos.

Neste momento decorre no parlamento uma comissão de inquérito ao caso de Tancos e às eventuais responsabilidades políticas. Vários responsáveis têm sido chamados a depor e o responsável, à data do furto, pela investigação criminal da GNR de Loulé foi um deles. Em finais de março, o oficial contou aos deputados que era o responsável da investigação criminal de Loulé quando a Polícia Judiciária Militar lhe pediu colaboração para uma operação de recuperação de material furtado.

Apesar de a guerra entre PJ civil e PJ militar na condução da investigação ao furto ter sido tornada pública, o militar da GNR garante que desconhecia que o Ministério Público tinha entregue o caso à primeira. “Não me recordo em concreto, mas que eu tenha recebido alguma informação, não. O que pudesse haver era dos órgãos de comunicação social. Não me pareceu estranho que aquele processo estivesse com a Polícia Judiciária Militar”, garantiu.

“Houve essa autorização para que o NIC (Núcleo de Investigação Criminal) apoiasse a PJM, alguma informação que colhessem que passassem para a PJM. Sendo certo que eu tinha um conhecimento apenas genérico porque eu não acompanhei no terreno a investigação”, declarou. E que esse pedido surgiu porque havia um militar daquele posto que tinha contactos com um indivíduo que teria informações sobre o furto, referindo-se a Fechaduras.  Uma informação diferente da prestada pelo major Brazão, que chegou a ser porta-voz da PJM, e que disse que havia ligação entre um militar daquela zona e a PJM e daí o pedido de ajuda.

Os argumentos na comissão de inquérito terão sido passados a pente fino pelos investigadores responsável pelo caso e o militar acabou por ser constituído arguido, cerca de um mês depois, precisamente pelos crimes denegação de justiça e prevaricação e de falsificação de documento, suspeitando-se assim que possa ter adulterado documentos para corroborar a informação que prestou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)