Assalto em Tancos

Tancos. Tenente-coronel da GNR do Algarve é o novo arguido no processo

171

O Chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal da GNR do Algarve é suspeito dos crimes de associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação e de falsificação de documento.

Luís Sequeira, chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal da GNR do Algarve, foi ouvido na comissão de inquérito a Tancos em março

O tenente-coronel Luís Sequeira, chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal da GNR do Algarve, foi constituído arguido no processo relativo ao furto de arma de guerra do paiol de Tancos. Segundo uma nota de imprensa divulgada esta quarta-feira pelo Ministério Público, o arguido foi ouvido terça-feira em primeiro interrogatório judicial e saiu em liberdade, embora suspenso de funções, e proibido de se ausentar do país.

O arguido foi indiciado pela prática dos crimes de associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação e de falsificação de documento.

O Ministério Público submeteu, esta terça-feira, a interrogatório judicial um arguido por factos praticados enquanto Chefe da Secção de Informações e Investigação Criminal, no âmbito do inquérito em que se investigam as circunstâncias em que ocorreu o furto de material de guerra no Paiol de Tancos”, lê-se no comunicado.

A investigação que se encontra em segredo de justiça tem, neste momento, um total, 21 arguidos.

Neste momento decorre no parlamento uma comissão de inquérito ao caso de Tancos e às eventuais responsabilidades políticas. Vários responsáveis têm sido chamados a depor e o responsável, à data do furto, pela investigação criminal da GNR de Loulé foi um deles. Em finais de março, o oficial contou aos deputados que era o responsável da investigação criminal de Loulé quando a Polícia Judiciária Militar lhe pediu colaboração para uma operação de recuperação de material furtado.

Apesar de a guerra entre PJ civil e PJ militar na condução da investigação ao furto ter sido tornada pública, o militar da GNR garante que desconhecia que o Ministério Público tinha entregue o caso à primeira. “Não me recordo em concreto, mas que eu tenha recebido alguma informação, não. O que pudesse haver era dos órgãos de comunicação social. Não me pareceu estranho que aquele processo estivesse com a Polícia Judiciária Militar”, garantiu.

“Houve essa autorização para que o NIC (Núcleo de Investigação Criminal) apoiasse a PJM, alguma informação que colhessem que passassem para a PJM. Sendo certo que eu tinha um conhecimento apenas genérico porque eu não acompanhei no terreno a investigação”, declarou. E que esse pedido surgiu porque havia um militar daquele posto que tinha contactos com um indivíduo que teria informações sobre o furto, referindo-se a Fechaduras.  Uma informação diferente da prestada pelo major Brazão, que chegou a ser porta-voz da PJM, e que disse que havia ligação entre um militar daquela zona e a PJM e daí o pedido de ajuda.

Os argumentos na comissão de inquérito terão sido passados a pente fino pelos investigadores responsável pelo caso e o militar acabou por ser constituído arguido, cerca de um mês depois, precisamente pelos crimes denegação de justiça e prevaricação e de falsificação de documento, suspeitando-se assim que possa ter adulterado documentos para corroborar a informação que prestou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)