Kelli Tennant, ex-jornalista de desporto, acusou Luke Walton, treinador da NBA à frente da equipa Sacramento Kings desde meados de abril, de assédio sexual. Citada pela norte-americana CNN, admitiu na passada terça-feira aos jornalistas, no decorrer de uma conferência de imprensa, que até então estava com medo de reportar o incidente que terá acontecido em 2014, antes de Walton assumir o comando dos Lakers, em 2016. A notícia da acusação foi originalmente relatada pelo TMZ.

“Já não me sinto confortável em manter-me em silêncio sobre as coisas que me aconteceram”, disse na respetiva conferência de imprensa. “Quando alguém nos ataca e nós achamos que vamos ser violadas, vir a público é uma coisa assustadora”, continuou, admitindo que tinha esperança de que pudesse enterrar as memórias associadas à alegada agressão sexual, coisa que nunca aconteceu. “Passei anos a tentar lidar com isto.”

Tennant entrou com uma ação num tribunal da Califórnia, alegando que foi vítima de consequências físicas, emocionais e mentais depois de Luke Walton ter supostamente avançado sobre ela num quarto de hotel em Santa Mónica, na Califórnia, há cinco anos. À data do incidente, Walton trabalhava enquanto treinador assistente da equipa Golden State Warriors, enquanto Tennant era jornalista e apresentadora nas emissoras televisivas Spectrum SportsNet e SportsNet LA.

A ação judicial em causa não especifica a data em que ocorreram os acontecimentos descritos pela alegada vítima de agressão sexual, ainda que os advogados de Tennant afirmem, citados pela CNN, que tudo se passou em 2014. Para o advogado do treinador, Mark Baute, Kelli Tennant é “uma oportunista” e não uma vítima. “A sua revindicação não é credível. Temos a intenção de provar isto em tribunal.”

A CNN acrescenta que Tennant conheceu Walton há 10 anos e que os dois tornaram-se mais próximos em 2013, altura em que ela trabalhava enquanto jornalista desportiva a cobrir os Lakers e Walton era um analista das transmissões televisivas da equipa. Segundo esta, Walton ter-se-á tornado num amigo e mentor, tanto que ela pediu-lhe para escrever o prefácio de um livro no qual estaria a trabalhar. Segundo os relatos de Tennant, os dois ter-se-ão encontrado algumas vezes para discutir o respetivo prefácio.

A história continua: em 2014 Walton tornou-se treinador assistente dos Warriors e Tennant entra em contacto com ele — numa altura em que a equipa vem a Los Angeles para disputar os Los Angeles Lakers — para lhe dar uma cópia do livro em sinal de agradecimento. Quando se encontram, Walton alegadamente pede para irem até ao quarto. Num momento inicial Tennant terá hesitado, mas acaba por segui-lo.

No quarto, e de acordo com o processo que deu entrada num tribunal da Califórnia, Walton ter-se-á posicionado em cima de Tennant na cama. Terá beijado e tocado a ex-jornalista contra a sua vontade. A CNN escreve, inclusive, que este terá “esfregado a sua ereção” contra ela. Walton terá ainda rido enquanto Tennant pedia repetidamente para ele parar. Segundo os advogados desta, à data do incidente a ex-jornalista terá contado a algumas pessoas próximas o sucedido.

Luke Walton foi demitido dos Lakers no mês passado, esclarece o The Guardian, e contratado pelos Sacramento Kings, equipa que na segunda-feira emitiu um comunicado onde assegura estar a par da acusação e estar também a reunir informação adicional sobre o assunto. “Neste momento não temos mais comentários a fazer”, concluiu a equipa.