Futebol

Tudo isto é Wolves, tudo isto é fado. Wolverhampton vence Arsenal com dois golos portugueses

O Wolves de Nuno Espírito Santo voltou ao 7.º lugar da Premier League ao vencer o Arsenal em casa (3-1). Rúben Neves fez o primeiro golo de livre direto e Diogo Jota marcou o terceiro.

O médio ex-FC Porto marcou o oitavo golo de fora de área desde o início da temporada

Getty Images

Era o encontro de duas equipas que tiveram uma Páscoa pouco doce. Se o Wolverhampton de Nuno Espírito Santo empatou em casa com o Brighton no fim de semana, o Arsenal recebeu o Crystal Palace no Emirates e não conseguiu evitar uma derrota perante a equipa de Roy Hodgson. O conjunto mais português da Premier League caiu na classificação e aterrou no 10.º lugar, os gunners não capitalizaram em motivação a passagem às meias-finais da Liga Europa e perderam a quarta posição da tabela, a última que dá acesso à Liga dos Campeões. Depois de uma época festiva pouco feliz, Wolves e Arsenal encontravam-se no Molineux para colocar em dia uma jornada atrasada da Liga inglesa. 

Nuno Espírito Santo começava com Moutinho e Rúben Neves no meio-campo — e Diogo Jota a fazer dupla com Raúl Jiménez no ataque — e Unai Emery lançava novamente Lacazette no onze inicial, já que Aubameyang estava indisponível por ter sido operado ao nariz, e fazia sete alterações face à equipa que perdeu com o Crystal Palace (só sobravam mesmo o avançado francês, Özil, Leno e Koscielny). O treinador do Arsenal não resistia a fazer o quase inevitável depois de uma derrota e procurava a revolução frente ao Wolves, uma equipa que fosse mais aquilo que mostrou em Nápoles a meio da semana passada e menos aquilo que deixou em campo no sábado com o Palace. Porém, mudar peão por peão, como o tempo e o Wolves acabaram por mostrar, não é suficiente.

As estatísticas estavam mais do que a favor do Arsenal: há nove jogos consecutivos para a Premier League que os Wolves não venciam a equipa londrina, mais partidas do que a equipa de Nuno Espírito Santo alguma vez passou sem vencer um adversário específico. Uma vitória esta quarta-feira, mais do que importante nas ambições dos foxes no que toca ao top 10 da Liga inglesa, significava o enterrar de uma quase maldição. Rúben Neves, com o pé direito que já habituou o Molineux a maravilhas, deu início ao exorcismo de que o Wolves precisava.

O médio português assinou mais um grande golo de livre direto e inaugurou o marcador (28′), tornando-se o terceiro jogador das quatro primeiras Ligas inglesas com mais golos marcados de fora de área (oito, atrás dos nove de Harry Wilson e dos 10 de Charlie Mulgrew). Matt Doherty fez o segundo (37′), já depois de Rúben Neves ficar muito perto de bisar novamente de livre, e Diogo Jota deixou mais uma marca portuguesa no encontro, ao fazer o terceiro já no segundo minuto de tempo extra. Tudo somado e perante um Arsenal chocado e sem reação, o Wolves ia para o intervalo a ganhar um jogo da Premier League por três golos pela primeira vez.

Na segunda parte, a equipa de Nuno Espírito Santo chegou a estar perto do quarto golo que levaria o resultado para números escandalosos — Jonny Castro assistiu Raúl Jiménez mas o mexicano atirou ao lado — mas acabou por ser o central Sokratis a reduzir de cabeça, num golo solitário que não chegou para inverter o marcador. Nove jogos depois, o Wolves voltou a vencer o Arsenal para a Premier League e regressou ao sétimo lugar da tabela que o coloca enquanto melhor classificado para lá dos big six ingleses (tudo isto, diga-se, na primeira temporada de regresso ao principal escalão do futebol inglês). Já os gunners de Unai Emery saem do Molineux no mesmo lugar, beneficiando da derrota do Manchester United perante o City, mas a confirmar o momento menos bom que começou no sábado com o Crystal Palace.

Num jogo onde a vitória do Wolverhampton voltou a ter, de forma inevitável, uma marca de água portuguesa, a equipa de Nuno Espírito Santo viu o Molineux receber a melhor assistência da temporada, com mais de 31 mil pessoas nas bancadas. Numa altura em que faltam três jornadas para o final da Premier League, o Wolves está numa posição mais do que confortável, Espírito Santo tem o lugar mais do que assegurado e Moutinho, Neves, Jota, Patrício e companhia são a espinha dorsal de uma equipa que na próxima temporada pode, de forma natural, manter-se no top 10 da inglesa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)