Os dirigentes do futebol sul-americano são conhecidos por ter um pavio curto no que diz respeito ao insucesso desportivo e este domingo houve mais um bom exemplo disso, com mais alguns técnicos brasileiros a verem os seus contratos rescindidos depois de perderem as respetivas finais dos campeonatos estaduais. Ainda assim, nada que se assemelhe à noite de terror vivida pelo médio venezuelano Brendix Parra, que acabou com o anúncio de que estava despedido do Independiente de Campo Grande.

A situação passou-se na primeira eliminatória da Taça Sul-Americana, uma espécie de Liga Europa do continente sul-americano que permite a equipas mais modestas ganharem destaque – como o Athletico Paranaense de Lucho González, que conseguiu o primeiro triunfo na final do ano passado, após derrotar nas grandes penalidades os colombianos do Júnior Barranquilla. Neste caso, a decisão também passou pelos penáltis, depois de mais um nulo entre os paraguaios e o La Equidad, do Equador.

Na sua tentativa de conversão, Brendix Parra quis surpreender o guarda-redes contrário com uma marcação à Panenka mas o remate dificilmente poderia sair pior, com o número 1 dos equatorianos a ter tempo de, mesmo no relvado, colocar o peito à frente da bola que se encaminhava vagarosamente para a baliza e a travar o castigo máximo. Na altura, o desempate manteve-se em 2-1 para o conjunto da casa, que ganharia após nova defesa ao penálti de Reinaldo Benítez por 4-3. No entanto, a “fatura” do afastamento precoce da competição acabou mesmo por ir parar ao médio venezuelano. E foi cara.

Além de ter ficado privado do prémio de apuramento que tinha sido discutido com os responsáveis do clube, e que era de 4.800 dólares por jogador (cerca de 4.300 euros, conversão atual), Brendix Parra foi despedido pelo Independiente de Campo Grande. “Os elementos da direção tomaram a decisão de dispensar o jogador, pela forma como marcou o penálti. Este rapaz cometeu um erro, sinto muito pelo que se passou mas tivemos de tomar esta decisão. Custou-nos muito. Se passássemos havia um bom prémio para cada um…”, comentou o presidente do clube ao programa ABC Cardinal da AM 730, citado pela Fox Sports, ao mesmo tempo que todos os valores que o jogador tinha a receber serão liquidados nos próximos dias.

Brendix Parra, terceiro a contar da esquerda, falhou a conversão do seu penálti e acabou a noite despedido (JUAN BARRETO/AFP/Getty Images)

Apesar d0 apoio de alguns companheiros de equipa, também houve quem se mostrasse de acordo com a atitude. “Não se pode perdoar uma irresponsabilidade destas, porque foi uma irresponsabilidade marcar o penálti daquela forma. Depois falou com alguns jogadores mas em geral não pediu desculpas”, referiu o médio Cláudio Vargas. “Foi uma situação difícil porque me rescindiram logo o contrato que tinha. A vida segue, o futebol segue, vou seguir em frente. Alguns companheiros apoiaram-me. Peço desculpas a todos e também aos adeptos”, lamentou Brendix Parra, citado pela Marca.