Rádio Observador

Arábia Saudita

União Europeia questiona julgamentos das 37 pessoas executadas na Arábia Saudita

A União Europeia condenou a execução de 37 pessoas na Arábia Saudita, dizendo que levanta sérias dúvidas quanto ao respeito pelo direito a um julgamento justo.

JULIEN WARNAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A União Europeia condenou esta quarta-feira a execução de 37 pessoas na Arábia Saudita, considerando que “o maior número de execuções num único dia desde 2016” levanta sérias dúvidas quanto ao respeito pelo direito a um julgamento justo.

“Ontem, a Arábia Saudita executou 37 pessoas em simultâneo em diferentes cidades do país. Este é o maior número de execuções num único dia na Arábia Saudita desde 2016 e confirma a tendência negativa neste país, em absoluto contraste com o crescente movimento abolicionista no mundo”, sublinha o comunicado do Serviço Europeu de Ação Externa.

A nota, firmada por Maja Kocijancic, porta-voz da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, vinca que “estas execuções em massa levantam sérias dúvidas sobre o respeito pelo direito a um julgamento justo”, que a UE considera “um critério fundamental mínimo nos padrões da justiça”.

A execução de pessoas que eram menores à data dos alegados crimes constitui outra violação grave. Adicionalmente, a identidade da maioria dos executados e as dúvidas quanto à gravidade das acusações que são imputadas a alguns deles podem alimentar as tensões sectaristas que já dominam a região”, alerta o bloco comunitário.

A Arábia Saudita executou na terça-feira 37 pessoas condenadas por terrorismo, execuções que decorreram em cinco regiões do país, anunciou o ministério do Interior.

De acordo com o ministério, estas execuções massivas foram concretizadas na capital Riade, nas cidades santas de Meca e Medina, na região sunita de Al-Qassim (centro) e na província oriental onde se concentra a minoria xiita.

Os condenados, todos de nacionalidade saudita, foram considerados culpados de “terem adotado o pensamento terrorista extremista” e de “terem formado células terroristas”, afirmou o ministério numa nota divulgada pela agência oficial SPA.

Na Arábia Saudita as execuções são geralmente aplicadas por decapitação, e o ministério anunciou que um dos condenados foi de seguida crucificado, um tratamento reservado aos autores de crimes considerados particularmente graves.

As anteriores execuções massivas na Arábia Saudita remontam a janeiro de 2016, quando 47 pessoas, também condenadas por terrorismo, incluindo o chefe religioso xiita Nimr Baqer al-Nimr, foram mortas no mesmo dia.

“A UE opõe-se inequivocamente ao uso da pena capital em todos os casos, sem exceção. É uma punição cruel e inumana, que não funciona como fator de dissuasão e que representa uma negação inaceitável da dignidade e integridade humanas. A UE continuará consistentemente a reiterar a sua oposição à pena de morte e a advogar pela sua abolição nos países que ainda executam pessoas”, conclui o comunicado do Serviço Europeu de Ação Externa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)