Netflix

Berlim, ator de “A Casa de Papel”, canta Grândola Vila Morena para assinalar o 25 de abril

981

O ator Pedro Alonso, Berlim em "A Casa de Papel", deixou uma mensagem no final do vídeo: "Pela Liberdade, sempre". Netflix Portugal dedica a página de Facebook à Revolução do 25 de abril.

O vídeo e a fotografia foram publicados nas redes sociais da Netflix

Netflix/Facebook

Já viveu em Lisboa e foi pela capital portuguesa que deu os primeiros passos como ator. Esta quinta-feira, em que se comemoram os 45 anos da Revolução de 25 de Abril, Pedro Alonso não está por cá. Mas aceitou fazer uma homenagem ao dia da liberdade para a Netflix Portugal, que aliás dedica a sua página de Facebook ao tema.

Alonso, que veste a pele de Berlim na série “A Casa de Papel”, aparece vestido com o famoso fato de macaco vermelho com que se destacou na série espanhola. E assim que se carrega no “play” do vídeo, surpresa: aparece de cravo na mão e a cantar um excerto do tema “Grândola Vila Morena”, a música de Zeca Afonso que serviu de código aos militares portugueses que avançaram de todo o país para Lisboa a fim de derrubar o regime. O vídeo foi publicado esta quinta-feira nas redes sociais da Netflix e na conta do Instagram do próprio ator espanhol.

No final da sua atuação, Alonso deixa uma mensagem: “Pela Liberdade, sempre”, num português quase perfeito. Também na página do Facebook da Netflix foi publicada uma fotografia de capa dedicada ao Dia da Liberdade com a participação de dois outros atores da série.

Na imagem, Mónica (Esther Acebo), Berlim e Helsinki (Darko Peric) surgem com um cravo na mão e vestidos com o fato que utilizaram durante o assalto à Casa da Moeda espanhola.

A série espanhola, que se tornou um grande sucesso e é agora produzida pela Netflix, popularizou também outro tema relacionado com liberdade e com a resistência italiana contra o fascismo e a ocupação nazi durante a Segunda Guerra Mundial: a canção “Bella Ciao”. A série vai ter uma terceira temporada, que estreia no dia 19 de julho.

Em entrevista ao Observador, há um ano, o ator Pedro Alonso já antecipava a existência de pelo menos uma terceira temporada para a série: “Creio que, além de ser uma série de um assalto, é uma série de uma família sem estrutura que está a tentar articular uma maneira pessoal de dar a volta ao sistema. Embora o assalto fosse um ponto concreto da série, eu penso que outro importante é o dessa família que luta contra o sistema como se todos fossem o Robin Hood. Se pegarmos por aí, acho que “Casa de Papel” tem potencial para alimentar mais uma temporada e dar-lhes mais voltas. Agora ou dentro de vinte anos, não sei!”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)