Rádio Observador

Facebook

Espanha. Dias antes das eleições, Facebook elimina páginas de extrema-direita

1.980

Facebook justifica a medida com base no comportamento das contas e não no conteúdo que partilham. Decisão surge depois de relatório de ONG que diz que estas contas partilhavam conteúdos falsos.

“Como noutros casos, removemos essas contas com base no comportamento delas, não no conteúdo que elas postaram", referiu o Facebook em comunicado

AFP/Getty Images

A poucos dias das eleições gerais em Espanha, o Facebook eliminou várias contas de extrema-direita que partilhavam conteúdos para cerca de 1,7 milhões de utilizadores espanhóis. Apesar de a rede social ter referido, em comunicado citado pelo The Guardian, que a eliminação destas contas teve como motivo “os seus comportamentos e não o conteúdo que colocavam”, a decisão surge depois de a organização não governamental Avaaz ter enviado um relatório à empresa de Mark Zuckerberg onde revela a suspeita da partilha de conteúdos “anti-imigração, anti-LGBT, anti-islão, anti-feminista e outros conteúdos divisivos” nestas contas, bem como de informações falsas.

Entre as contas bloqueadas estão a Unidad Nacional Española, que tinha mais de 700 mil seguidores, outra conta semelhante (Unidad Nacional Española E), com mais de 35 mil gostos, e contas intituladas de Orgullo nacional, Ejército español, Adelante España e Barcelona se queda em España. No total, estas contas geraram mais de 7 milhões de interações. 

O Facebook fez um ótimo trabalho em atuar rápido, mas estas contas são provavelmente apenas a ponta do iceberg da desinformação — e se o Facebook não agir mais, estas operações podem afundar a democracia no continente”, referiu Christoph Schott, diretor da Avaaz, citado num comunicado enviado esta quarta-feira.

O relatório da Avaaz mostra exemplos de publicações que estas páginas partilhavam, que incluíam informações sobre estrangeiros cometerem a maior parte das violações em Espanha, notícias falsas sobre líderes pró-independência da Catalunha e várias publicações que tinham como alvo o partido de esquerda Podemos, incluindo uma montagem com a cabeça de Pablo Iglesias no corpo de Hitler a fazer uma saudação nazi.

Há também várias imagens no relatório que mostram como estas contas difundiam todas exatamente o mesmo conteúdo. “Como noutros casos, removemos essas contas com base no comportamento delas, não no conteúdo que elas postaram. Algumas páginas adicionais também foram desativadas porque foram administradas apenas por contas falsas”, argumentou o Facebook.

No relatório, surgem várias imagens que mostram publicações com exatamente o mesmo texto partilhado pelas várias contas

O relatório da ONG detetou apenas um único coordenador da conta Unidad Nacional Española: Javier Capdevilla Grau, um militante de extrema-direita que explicou ao El País que nunca criou contas falsas nem várias páginas com o mesmo nome, acreditando que se trata de um ato de censura. “Penso que me impediram para que não possa influenciar estas eleições”, argumentou, defendendo ainda que é “uma pessoa moderada e respeitosa” e que as publicações que fez “nunca foram suscetíveis de serem censuradas”.

Ainda esta semana, recorde-se, também a conta do WhatsApp do Podemos foi bloqueada por violar as regras e condições do serviço de mensagens instantâneas.

Uns dias antes, o Facebook anunciou que baniu várias contas e grupos no Reino Unido que tinham ligações a movimentos de extrema-direita. Neste caso, a rede social justificou a medida argumentando que ideias que “espalham o ódio” não podem lá entrar.

As eleições em Espanha decorrem este domingo e todas as sondagens dão vitória, mas não maioria absoluta, ao PSOE de Pedro Sánchez.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)