Nissan

Ex-presidente da Nissan libertado em Tóquio mas sujeito a medidas de coação

Carlos Ghosn saiu da prisão, em passo firme e rodeado de guardas, mediante caução. Não poderá sair do país nem contactar a mulher sem autorização do tribunal.

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn saiu da prisão, mediante caução, na noite desta quinta-feira, em Tóquio, mas permanecerá em regime domiciliário, impedido de sair o país e de contactar a mulher sem permissão do tribunal.

A decisão do tribunal de libertar Carlos Ghosn não agradou ao Ministério Público local que considerou “lamentável” que o juiz tenha permitido a saída do antigo presidente da Nissan, apesar do risco de perturbação e destruição de provas.

A decisão de libertar Ghosn mediante caução é passível de recurso.

Ghosn foi detido em novembro de 2018, libertado sob fiança em março e novamente detido em abril, após nova acusação: as autoridades japonesas suspeitam que cometeu um crime de abuso de confiança agravado contra a Nissan, desviando parte de uma transferência da empresa para um distribuidor de Omã (Jordânia), para seu uso pessoal, causando perdas de cerca de 4,4 milhões de euros ao fabricante nipónico.

O ex-CEO da Renault-Nissan saiu da prisão em passo firme, rodeado de guardas, vestindo fato sem gravata e enfrentando os flashes dos fotógrafos antes de entrar num veículo preto, indicou a agência noticiosa AFP no local.

A imagem desta quinta-feira contrasta com a da sua primeira libertação sob fiança em 06 de março. Nessa altura, apareceu disfarçado, usando um boné azul, um uniforme de trabalhador, óculos e uma máscara de proteção branca, numa aparente tentativa de ocultar a sua identidade dos jornalistas.

O ex-magnata do ramo automóvel, de 65 anos, que havia regressado ao centro de detenção de Kosuge (norte de Tóquio) no início de abril, teve de pagar, desta vez, uma caução de 500 milhões de ienes (mais de quatro milhões de euros).

Carlos Ghosn já havia pago uma fiança milionária — mil milhões de ienes – pelo direito de sair da prisão em 06 de março, onde passou 108 dias na sequência de uma investigação inicial por alegadas práticas ilegais.

O ex-chefe da Nissan está agora em liberdade, mas sujeito a condições restritas: “prisão domiciliária, proibição de deixar o Japão e outras condições para impedir a destruição de provas e fuga”, revelou o tribunal.

“Acima de tudo, ele só tem o direito de ver a esposa apenas se o tribunal aprovar o pedido”, explicou o seu advogado, Junichiro Hironaka, à imprensa.

Antes desta investigação, Ghosn já tinha sido acusado de falsificar documentos financeiros e de não declarar todos os seus rendimentos.

No início de abril, Ghosn acusou os executivos do fabricante japonês de conluio contra ele “por medo que a empresa perdesse autonomia” durante o processo de integração com a francesa Renault, que detém 43% da Nissan.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)