Ferro Rodrigues

Ferro Rodrigues assume que votaria em Marcelo se as presidenciais “fossem amanhã”

1.030

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, assume que votaria em Marcelo se as eleições presidenciais "fossem amanhã", numa entrevista ao Público.

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, assume que votaria em Marcelo Rebelo de Sousa se as eleições presidenciais “fossem amanhã”, numa entrevista publicada na edição desta quinta-feira do diário Público.

“Se [as eleições] fossem amanhã, não tinha dúvidas. Agora, vamos ter presidenciais muito tarde. Ainda faltam dois anos e tal”, responde o ex-líder socialista e atual presidente do parlamento quando questionado se admite “votar no candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa”.

Ferro revela que na última eleição não votou no atual chefe de Estado, apesar de o PS não ter dado indicações de voto. Mas se optasse por Marcelo, seria a primeira vez a votar num candidato de outra área política.

“Desde que entrei para o PS, em nenhuma eleição deixei de votar no PS ou no candidato indicado pelo PS”, salienta o antecessor de José Sócrates na liderança dos socialistas, embora afirmando ter um “feitio heterodoxo”, mas ser também “um homem de partido”.

“Não gosto de ortodoxias e decisões centralizadas que toda a gente tem de cumprir quer goste quer não”, admite.

Para Ferro Rodrigues, é também necessário ver se Marcelo se recandidata e o também o desempenho na reta final do mandato.

“Vamos ver como é a evolução dos próximos dois anos e vamos ver como é a relação entre um novo parlamento que vai existir e o Presidente nesta fase final do seu mandato”, afirma.

Na entrevista ao Público, o ex-secretário-geral do PS afirma ter uma “relação muito boa” com Marcelo Rebelo de Sousa e ir “muitas vezes” a Belém, o que considera ser “muito interessante” porque “não era expectável”. “Mas o Presidente, enquanto Presidente e enquanto pessoa, tem sido uma revelação muito positiva para mim”, sublinha.

Sobre o futuro presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues considera que “Costa com certeza ouvirá o partido” e admite que o seu sucessor poderá ser Carlos César.

À pergunta “Se Carlos César quiser ser presidente da AR, dá-lhe o lugar tranquilamente?”, Ferro responde: “Não vejo porque não. Não é dar o lugar. Acho que com certeza o secretário-geral do PS levará em conta o que pensa o partido, mas não quero adiantar-me a diligências que serão feitas mais tarde”.

O presidente do parlamento aproveita a entrevista para advertir que “os deputados ou os membros dos cargos políticos não podem ser tratados como cães” ou “pior do que cães”, ao referir-se a ataques de minorias que criam “problemas comportamentais do ponto de vista democrático”.

Ferro considera ainda que “faz pouco sentido” os juízes receberem mais do que o primeiro-ministro, numa crítica implícita às propostas do PS de alteração ao Estatuto dos Magistrados Judiciais que abrem essa hipótese.

Ao Público, o ex-líder do PS defende ainda a necessidade de transparência quanto aos proprietários dos órgãos de comunicação social e considera que o exercício de inventariar as ‘fake news’, ou notícias fabricadas, “não é difícil”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Em que partido vota um liberal ?

Bernardo Blanco

Votei num partido que afirma sem medos que "todo o indivíduo tem direito a dirigir a sua própria vida”, em termos económicos e sociais. O Estado deve estar fora do bolso e do quarto dos portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)