Um agressor sexual que tinha sido libertado em março foi detido novamente na madrugada desta sexta-feira, 26 de abril, por quatro crimes de violação cometidos só no mês de abril. O anúncio da detenção foi feito pela Polícia Judiciária através de um comunicado enviado às redações.

O suspeito é um português de 38 anos estava em liberdade há cerca de um mês, depois de ter cumprido uma pena de dez anos de prisão na sequência de uma condenação pela prática de crimes de natureza sexual. Além do crime de violação, o agressor é ainda acusado dos crimes de rapto, coação sexual e roubo.

Segundo descreve a PJ no comunicado, o modus operandi do agressor passava pela “realização de viagens em transportes públicos na cidade de Lisboa, durante os períodos da noite e da madrugada, observando potenciais vítimas. Quando estas saíam em determinada paragem, o suspeito saía também e perseguia as vítimas, abordando-as posteriormente com violência e coagindo-as a acompanhá-lo até locais isolados onde consumava as circunstâncias da agressão sexual, chegando por vezes a subtrair bens e quantias monetárias que aquelas tivessem na sua posse”.

De acordo com a nota da Polícia Judiciária, a investigação destes crimes, todos cometidos em abril depois da sua libertação, foi ainda identificado um potencial “crime idêntico, ocorrido em abril de 2016, durante uma saída precária do arguido“.

As autoridades admitem ainda que estes quatro casos podem não ter sido os únicos. “Decorrem diligências de pesquisa e recolha de informação tendente a determinar a eventual existência de outras notícias de crimes de natureza sexual que possam ter sido praticadas pelo suspeito ora detido”, lê-se ainda no comunicado.

O agressor já “foi presente a primeiro interrogatório judicial”, que determinou as medidas de coação. Assim, o arguido vai aguardar pelos avanços no processo em prisão preventiva.