Rádio Observador

DECO

Deco: bancos portugueses fazem pouco para divulgar contas de serviços mínimos bancários

A Deco Proteste considera insuficiente o trabalho que os bancos portugueses têm feito para divulgar contas de serviço mínimos bancários. Falta de publicidade e informação estão na origem das críticas.

Deco considera que o Banco de Portugal e as instituições financeiras deviam fazer mais para publicitar e informar contas de serviços mínimos

Mario Cruz/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Deco considera que o Banco de Portugal e as instituições financeiras deveriam publicitar e informar mais sobre a abertura e reconversão de contas de serviços mínimos bancários, para ajudar quem tem mais dificuldades e falta de literacia financeira.

Natália Nunes, do gabinete de proteção financeira da Deco, disse à Lusa que a associação de defesa do consumidor critica o Banco de Portugal (BdP) “por causa da falta de publicitação destas contas. As pessoas não sabem que podem converter as suas contas nestas contas e o BdP e os bancos não informam”.

A associação está a fazer um esforço na divulgação destes serviços, durante as ações que leva a cabo por todo o país, garantiu a mesma responsável.

O regulador, em resposta a perguntas da Lusa, esclareceu que “as instituições de crédito que prestam serviços mínimos bancários estão obrigadas a cumprir vários deveres de informação relacionados, designadamente, com a divulgação das contas de serviços mínimos bancários. Estes deveres de informação foram objeto de regulamentação pelo BdP”.

Os maiores bancos portugueses, contactados pela Lusa, garantem estar a cumprir tudo o que é exigido nestes casos.

O BCP garantiu que “faz regularmente comunicações às sucursais sobre o tema” e que dispõe de “um ‘site’ interno”, que conta com “todos os detalhes, alterações legislativas, normas de procedimentos e documentação”. O banco salientou ainda que “em todas as sucursais temos informação, incluindo um cartaz e uma monofolha digital à disposição dos clientes e potenciais clientes”.

A instituição contava com 6.200 contas de serviços mínimos em 31 de dezembro do ano passado e uma taxa de reclamações “residual” quanto a este serviço, de acordo com fonte oficial.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), por sua vez, referiu que disponibiliza estes serviços “aos seus clientes desde 23/03/2000, na sequência da assinatura de protocolo com o Governo e o Banco de Portugal, tendo sido um dos primeiros bancos nacionais a, voluntariamente, aderir a este sistema, numa altura em que o mesmo se destinava prioritariamente a clientes com dificuldades claras no acesso ao sistema bancário”.

No dia 31 de dezembro, a instituição registava 26.153 contas de serviços mínimos bancários.

O BPI, por sua vez, referiu que fornece, “sobre estes serviços, o mesmo nível de informação que disponibiliza sobre qualquer outra conta de depósitos à ordem do banco” e que “o acompanhamento deste processo junto dos Balcões, não é diferente do normal acompanhamento do funcionamento da rede comercial”.

Já o Santander indicou que “relativamente aos serviços mínimos bancários, os colaboradores do banco realizaram uma formação obrigatória em formato ‘e-learning'”. A instituição detalhou que as principais queixas relativas a estes serviços estão relacionadas com o facto de os clientes mudarem “de uma conta normal para serviços mínimos”, mas mantendo “o cartão anterior alvo de cobrança de anuidade” quando, para ficarem isentos “têm de subscrever o cartão fácil”. Além disso, há pessoas que pretendem converter a sua conta para este tipo de serviço “e não têm condições para tal”, ainda que sejam informados pelo balcão.

A instituição contava, no final de 2018, com 6.200 contas “valor que compara com 3.280 no final de 2017, ou seja, um crescimento de 89%”, segundo dados fornecidos pelo Santander.

Por sua vez, o Montepio garantiu que “a informação está disponível em permanência para que os funcionários do banco possam prestar toda a assistência aos clientes” e que “estão previstos os mecanismos usuais de controlo interno, auditoria e inspeção, que aferem processos e comportamentos comerciais em todos os âmbitos da atividade bancária”. No final do ano, o banco tinha perto de 3.000 contas de serviços mínimos.

Os CTT não responderam diretamente a todas as questões colocadas pela Lusa, dizendo apenas que “a conta Banco CTT tem mais vantagens do que uma conta de serviços mínimos, sem restrições de acesso e custa zero euros. Assim, os clientes têm optado naturalmente pela conta Banco CTT”.

O número de contas de serviços mínimos bancários cresceu 32,6% no ano passado, face a 2017, atingindo os 59.173, segundo dados divulgados pelo BdP. Os clientes podem converter contas já existentes em serviços mínimos.

Estas contas incluem um conjunto de serviços “considerados essenciais que os cidadãos têm direito a adquirir a um custo reduzido”, explicou o BdP, e incluem a abertura e manutenção de uma conta de depósito à ordem (de serviços mínimos bancários), bem como a disponibilização do respetivo cartão de débito e o acesso ao ‘homebanking’ (serviços bancários ‘online’).

Estes serviços englobam ainda a possibilidade de realizar levantamentos ao balcão, débitos diretos, transferências intrabancárias (dentro do mesmo banco) nacionais e 24 transferências para outros bancos, através do ‘homebanking’.

As contas têm “um valor máximo de comissão de 1% do Indexante de Apoios Sociais (IAS), o que, em 2019, corresponde a 4,35 euros”, de acordo com o regulador.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)