Hóquei em Patins

Hóquei. FC Porto vai recorrer da interdição do Dragão Caixa apresentada pelo Sporting

O FC Porto vai recorrer da interdição do Dragão Caixa para os jogos de Hóquei. Em causa está uma queixa apresentada pelo Sporting relativa a confrontos entre adeptos portistas e dirigentes leoninos.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O FC Porto anunciou esta sexta feira que vai recorrer da interdição de três jogos do Dragão Caixa, aplicada pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação de Patinagem de Portugal (FPP), pelos incidentes na receção ao Sporting, no campeonato de hóquei em patins.

“O FC Porto vai recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) do castigo de três jogos de interdição do Dragão Caixa determinado pelo CD da FPP. O FC Porto vai ainda interpor uma providência cautelar para suspender o castigo até ser conhecida a decisão do TAD [Tribunal Arbitral do Desporto]”, pode ler-se num comunicado publicado no site oficial dos ‘dragões’.

O pavilhão do FC Porto foi interditado na sequência da participação apresentada pelo Sporting, com base nas agressões sofridas pelo diretor-geral das modalidades, Miguel Albuquerque, e pela sua mulher, que se encontravam na zona destinada aos dirigentes ‘leoninos’, por parte de um adepto portista, instalado num camarote de empresa.

Os incidentes sucederam-se a 16 de março, durante a primeira parte do jogo entre o FC Porto e o Sporting, da 20.ª jornada do campeonato nacional de hóquei em patins, que os ‘azuis e brancos’ venceram por 3-1.

A quatro jornadas do fim, que incluem as receções ao Riba D´Ave e o Turquel, o FC Porto lidera a prova com 55 pontos, mais três do que o Sporting, campeão em título, e do que a Oliveirense.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)