Sri Lanka

Chefe da polícia do Sri Lanka demite-se. Figura-chave dos atentados morreu numa das explosões

Pujith Jayasundara é o segundo alto funcionário do Sri Lanka a renunciar na sequência dos atentados, depois da demissão do secretário da Defesa na noite de quinta-feira.

O pessoal médico terminou na sexta-feira as autópsias e reconheceu que as vítimas mortais foram contabilizadas mais do que uma vez, dado que estavam desmembradas

M.A. PUSHPA KUMARA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O chefe da polícia do Sri Lanka demitiu-se após os atentados de domingo de Páscoa que mataram 253 pessoas no país, anunciou esta sexta-feira o Presidente Maithripala Sirisena. “O inspetor-geral da polícia pediu a demissão”, disse o chefe de Estado durante uma conferência de imprensa.

Pujith Jayasundara é o segundo alto funcionário do Sri Lanka a renunciar na sequência dos atentados, depois da demissão do secretário da Defesa na noite de quinta-feira.

Também o extremista Zahran Hashim, figura-chave dos ataques terroristas no domingo de Páscoa do Sri Lanka, foi morto no atentado a um dos hotéis de luxo de Colombo, anunciou eesta sexta-feira o Presidente Maithripala Sirisena.

“O que os serviços de informação me disseram é que Zahran foi morto no ataque de Shangri-La no domingo de manhã”, disse o Presidente do Sri Lanka aos jornalistas, sem especificar se o extremista foi um dos homens-bomba.

As autoridades do Sri Lanka baixaram na sexta-feira para 253 o número de mortos nos atentados suicidas de domingo contra igrejas e hotéis, uma descida de 106 mortos face ao balanço anterior.

O pessoal médico terminou na sexta-feira as autópsias e reconheceu que as vítimas mortais, em que se inclui um português, foram contabilizadas mais do que uma vez, dado que estavam desmembradas, de acordo com um comunicado do Ministério da Saúde do Sri Lanka. O número de mortos anterior cifrava-se em 359.

Uma série de atentados ocorreu quase em simultâneo no domingo, dia em que os cristãos celebraram a Páscoa, em três hotéis de luxo e três igrejas cristãs da capital do Sri Lanka e de outras cidades do país.

Os ataques foram perpetrados por pelo menos nove suicidas armados com explosivos. Posteriormente, dois outros ataques aconteceram num pequeno hotel situado a uma dezena de quilómetros para sul de Colombo e num complexo residencial na capital. O governo do Sri Lanka vinculou os atentados, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, à organização islamita local National Thowheeth Jamath.

Pelo menos 58 pessoas foram detidas por suspeita de ligações aos atentados, incluindo o pai de dois dos alegados suicidas, segundo a polícia, que pediu informações sobre mais cinco suspeitos, incluindo três mulheres.

Os ataques de domingo são considerados os mais mortíferos no Sri Lanka desde o fim da guerra civil há dez anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)