O voo comercial das Linhas Aéreas de Angola (TAAG) Luanda/Sal inicia-se na segunda-feira, estando previsto o voo de estreia da Cabo Verde Airlines (TACV) para Angola em outubro, anunciou o ministro do Turismo, Transportes e da Economia Marítima cabo-verdiano.

No final da cerimónia que assinalou o ato inaugural do voo da TAAG para Cabo Verde, que decorreu na quinta-feira no Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, ilha do Sal, retomando assim uma ligação que tinha sido interrompida durante três anos, José Gonçalves disse que a retoma desta rota é de “grande importância”.

Citado pela agência de notícias cabo-verdiana, Inforpress, o ministro sublinhou a importância do evento: “São novas oportunidades. Em termos da nossa diversificação do turismo estamos a olhar seriamente para Angola, receber os nossos amigos, irmãos e turistas, não só na ilha do Sal, mas em qualquer ponto de Cabo Verde”.

A cerimónia contou com a presença do secretário de Estado do Turismo angolano, Alves Primo, e de outras altas individualidades dos dois países.

“Juntamente com Angola, vamos liderar esse processo e fazer com que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) tenha um novo corpo e dinamizar a mobilidade entre os nossos países. Angola e Cabo Verde estão a mostrar o caminho para os outros seguirem”, afirmou José Gonçalves.

Durante o evento foi assinado um protocolo com a Cabo Verde Airlines (TACV), um acordo de cooperação para a operacionalização em regime de ´code-share` com ligações aéreas entre Luanda e Sal, e firmado um outro entre a Câmara de Turismo de Cabo Verde e o Núcleo PALOP da Confederação Empresarial.

Os voos diretos entre Angola e Cabo Verde foram suspensos em 2016 devido à falta de rendibilidade do destino.

Inicialmente – disse à agência Lusa o ministro angolano dos Transportes, Ricardo de Abreu -, a ilha do Sal serviria de escala nos voos da TAAG para Havana (Cuba), mas acabou por se optar pela ligação via São Tomé.

Em novembro de 2018, os ministros dos Transportes de Angola e de Cabo Verde assinaram, na cidade da Praia, um memorando de entendimento, nos domínios dos transportes aéreos e marítimos, para “definir e consolidar a cooperação nestes setores estratégicos para os dois países”, prevendo a retoma das ligações aéreas entre os dois países, provavelmente através de um sistema de “code-share” com a TACV Internacional.

A 28 de março último, em declarações à Lusa, os operadores turísticos cabo-verdianos mostraram-se “confiantes no impacto” do retomar da ligação aérea entre Angola e Cabo Verde, considerando que constituirá “o primeiro passo” para a dinamização do turismo entre os dois países.

Na ocasião, o presidente da Associação de Agências de Viagens e Turismo de Cabo Verde (AAVTCV), Mário Sanches, salientou que uma das pretensões da instituição é promover o turismo entre cidadãos de países africanos.