A GNR reforça a partir deste sábado e até 13 de maio as ações de patrulhamento nas principais vias de acesso a Fátima para apoiar e garantir a segurança dos peregrinos durante as deslocações e nas celebrações religiosas.

Os militares vão reforçar ainda o policiamento no Santuário e zonas envolventes durante a operação “Peregrinação Segura 2019”, adianta a Guarda Nacional Republicana (GNR) em comunicado.

A operação decorre no âmbito das celebrações das aparições de Fátima, que têm “uma grande expressão, tanto a nível nacional, como a nível internacional” e reúnem “milhares de peregrinos provenientes de várias partes do mundo”, afirma a GNR.

Como a maioria das pessoas que participa nas peregrinações efetua o percurso a pé, em grupos numerosos, circulando muitas vezes em vias com trânsito intenso e com bermas estreitas ou sem elas, a GNR deixa alguns conselhos aos peregrinos como “andar em fila indiana” e “sinalizar o início e o fim dos grupos”.

Não andar na estrada e caminhar sempre na berma contrária ao sentido do trânsito, não andar em locais onde seja proibida a circulação de peões, usar sempre coletes refletores, não andar sozinho durante a noite e se for preciso reunir o grupo, fazê-lo sempre fora da estrada, são outras recomendações da GNR.

A GNR aconselha ainda os peregrinos a não usarem auscultadores, a não utilizarem o telemóvel durante a caminhada para evitar distrações e a tomarem especiais cuidados ao atravessar as vias.

Já na cidade de Fátima e no Santuário, a GNR recomenda aos peregrinos que cheguem atempadamente para evitar filas prolongadas e para não deixarem bens à vista no interior dos veículos, sugerindo que os guardem na bagageira antes de chegar ao local onde vai estacionar.

Não deixar documentos pessoais nos veículos, não transportar a carteira ou o telemóvel no bolso de trás ou na mochila, evitar andar com grandes quantias em dinheiro, não levar bens de valor, nem objetos que sejam ostensivos, ter sempre o telemóvel com bateria e o contacto dos demais elementos do grupo são outros conselhos deixados pela GNR.

Após o fim das cerimónias, “os peregrinos devem sair de forma calma e gradual, a fim de evitar filas prolongadas” e “não perder de vista os idosos e as crianças que o acompanham, devendo estes terem sempre um contacto de um adulto do grupo”, sublinha.