Rádio Observador

Islamismo

Observatório do Mundo Islâmico quer ser “referência do conhecimento” sobre a área

637

O Observatório do Mundo Islâmico, que vai ser apresentado publicamente na terça-feira em Lisboa, pretende "ser uma referência do conhecimento" sobre a área "para que haja entendimento".

MUHAMMAD SADIQ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Observatório do Mundo Islâmico, que vai ser apresentado publicamente na terça-feira em Lisboa, pretende “ser uma referência do conhecimento” sobre a área “para que haja entendimento”, disse a porta-voz do organismo.

“Só através do conhecimento há entendimento e é essa a base estruturante do observatório, é ser uma referência do conhecimento em tudo que diz respeito ao mundo islâmico para que haja entendimento, para que se criem pontes”, declarou à agência Lusa Maria João Tomás, professora auxiliar da Universidade Autónoma e vice-presidente do Observatório do Mundo Islâmico.

A investigadora adiantou que o observatório é “transversal a todas as áreas de conhecimento” e abarcará “os países de maioria islâmica ou cuja religião oficial ou de Estado seja o islão”, ou seja, todos os países do Norte de África e da Ásia Ocidental (designação que prefere à de Médio Oriente), mas também o Paquistão, Afeganistão, Bangladesh, Indonésia, “o maior país de maioria islâmica”.

Maria João Tomás assinalou que as religiões “são um instrumento político”, tendo sido utilizadas ao longo da história e ainda atualmente “para fins políticos (…) para justificar guerras, para justificar ódios”.

Um exemplo recente é o da guerra na Síria, disse, explicando que a sociedade síria foi dividida “colocando sunitas (a maioria) de um lado e xiitas (minoria no poder) do outro e isso foi orquestrado para justificar uma guerra”.

No entanto, “o que estava em causa era impedir que a Rússia chegasse ou continuasse a ter Latáquia e Tartus, as bases navais” que possui na Síria e das quais precisa “para ter acesso ao Mediterrâneo e sobretudo para por navios em água na altura do inverno” e quem estava do outro lado eram “os Estados Unidos e a parte da NATO que não queria” que Moscovo conseguisse aquele objetivo, adiantou.

Um conjunto de académicos e investigadores ligados à área, “com trabalhos já feitos e publicados”, decidiu criar o observatório também por considerar que existia uma lacuna na sociedade civil em relação ao conhecimento do mundo islâmico, explicou Maria João Tomás.

“Estamos a formar as equipas de cada uma das áreas de conhecimento, que vão desde a literatura a aspetos securitários (…), de religião, (…) de economia”, disse, adiantando que o trabalho dos diversos núcleos será divulgado num portal do observatório na Internet.

“Espero que esteja pronto até dia 30”, quando é feita a apresentação pública do Observatório do Mundo Islâmico, na Universidade Autónoma de Lisboa, indicou a investigadora.

Maria João Tomás exemplificou: “Uma pessoa quer saber o que é que se está a passar em termos de literatura na Turquia” e haverá “alguém (…) que está a trabalhar exatamente nessa área e cujos trabalhos serão publicados” ou indicados no portal.

Mas o observatório e o portal também poderão ser úteis para “dar conhecimento aos investidores e aos (…) empresários (portugueses) de qual é que será o melhor investimento para o seu ramo de negócio”.

Uma empresa que deseje investir nos países em causa “pode recorrer com utilidade (ao observatório), pode contactar o observatório, dentro do núcleo de pessoas que estão a trabalhar nessas áreas para pedir informação, para pedir ajuda”, disse ainda Maria João Tomás, assinalando que “a geopolítica está muito ligada com oportunidades de negócio”.

A vice-presidente do observatório explicou que devido ao bloqueio imposto ao Qatar pela Arábia Saudita e outros vizinhos do Golfo em 2017, Doha “perdeu a refinação no Bahrein” e é Portugal que a está a fazer.

O observatório “é para a sociedade portuguesa”, insistiu, adiantando que para cumprir os seus objetivos terá ligações “a universidades do mundo islâmico”, “embaixadas (…), comunidade islâmica em Portugal”, à qual pertencem alguns “membros fundadores do observatório”.

Na terça-feira, para a apresentação pública do observatório, estão previstos debates sobre “As religiões como instrumento político”, na qual participam os embaixadores Francisco Seixas da Costa e Francisco H. Silva, e “O mundo islâmico, religião e poder”, com os investigadores Hermenegildo Fernandes, da Universidade de Lisboa, e Nuno Lemos Pires, do Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa.

O Observatório do Mundo Islâmico tem como presidente o professor José Esteves Pereira, da Universidade Nova de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

O regresso dos combatentes do Estado Islâmico

Francisco Jorge Gonçalves
111

Para além das ameaças, existem dilemas que se colocam: afinal deve ser impedido a sua entrada nos países de origem (incluindo a revogação da nacionalidade) ou deve-se permitir o seu regresso? E como?

Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)