Inundações

Canadá. Mais de 10.000 pessoas retiradas de casa devido a cheias

Milhares de canadianos foram obrigados a abandonar as suas casas devido às chuvas intensas e subida do nível das águas. Até agora, as inundações de primavera mataram apenas uma pessoa.

O Quebeque é a província mais afetada pelas inundações

ANDRE PICHETTE/EPA

Mais de 10.000 pessoas foram nos últimos dias retiradas de suas casas no leste do Canadá, devido a cheias causadas pelas chuvas de primavera que ultrapassaram os níveis recorde de 2017, indicaram esta segunda-feira as autoridades.

Na cidade de Sainte-Marthe-sur-le-Lac (oeste de Montreal), onde mais de 6.000 pessoas foram retiradas de casa de emergência durante o fim de semana após a rutura de um dique natural, “a situação está a estabilizar”, assegurou esta segunda-feira a ministra da Segurança Pública do Quebeque, Geneviève Guilbault.

Um primeiro dique de gravilha foi erigido no bairro mais afetado e um segundo deverá seguir-se-lhe rapidamente. “O nível das águas está a baixar e temos esperança de conseguir proteger o sector”, disse a ministra numa conferência de imprensa.

No Quebeque, a província mais afetada pelas inundações, juntamente com o Ontário e Nova Brunswick, mais de 9.500 pessoas foram já retiradas de casa desde o início das chuvas, indicou a ministra. Estes números são duas vezes mais elevados do que os das cheias de 2017, que foram os piores em meio século.

Mais de 1.000 pessoas tiveram também de abandonar as suas casas na província vizinha, Nova Brunswick. Vários milhares de militares foram destacados para as três províncias canadianas para apoiar as autoridades civis.

Embora anunciando, após alguns dias difíceis, “uma pequena melhoria nas próximas horas e nos próximos dias” nas condições meteorológicas, a ministra quebequense instou os afetados pelas inundações a “encherem-se de paciência”. “A descida do nível das águas em todo o Quebeque poderá ser muito lenta, é importante terem consciência disso e prepararem-se”, alertou.

No fim de semana passado, perante a subida do nível das águas, a capital federal, Otava, e a maior cidade do Quebeque, Montreal, declararam o estado de emergência nas três províncias canadianas mais atingidas.

Até agora, as inundações de primavera mataram apenas uma pessoa, uma septuagenária cuja viatura caiu num curso de água que cortou ao meio a estrada em que ela circulava, perto de Pontiac (oeste de Otava).

Muitos animais domésticos foram, em contrapartida, vítimas das cheias: “Eles morrem afogados, de hipotermia ou de saúde precária. É um stress incrível, é preciso ter um coração forte”, disse à agência noticiosa AFP o coordenador das operações da Rede de Socorro Animal, Eric Dussault, explicando ter montado um refúgio de emergência na zona de Sainte-Marthe-sur-le-Lac.

Equipas constituídas por um técnico de socorro e um especialista em comportamento animal revezam-se desde domingo à tarde para tentar resgatar os animais que ficaram prisioneiros das águas.

Segundo o responsável, a meio do dia desta segunda-feira, a operação tinha já permitido salvar cerca de 40 animais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)