Os fogos novos licenciados pelas câmaras municipais registaram um “expressivo aumento” homólogo de 37,3% nos dois primeiros meses de 2019, somando 3.851 alojamentos, divulgou esta segunda-feira a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Segundo a Síntese Estatística da Habitação da AICCOPN, que congrega os indicadores avançados de produção no setor, após um “crescimento moderado” de 4,3% em 2018, em janeiro e fevereiro de 2019 o consumo de cimento no mercado nacional acelerou, aumentando 17,6% em termos homólogos, para 512 mil toneladas.

O novo crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras a particulares registou um crescimento homólogo de 13,1% até fevereiro, para 1,5 mil milhões de euros, mas o stock de crédito às empresas de construção e imobiliário continuou em contração, com uma quebra de 10,3%.

Em fevereiro, o valor médio da avaliação bancária na habitação aumentou 6,8% em termos homólogos, fixando-se em 1.239 euros por metro quadrado, tendo-se assistido nos apartamentos a uma subida de 8,0%, para 1.310 euros por metro quadrado, e nas moradias a um aumento de 5,2%, para 1.125 euros por metro quadrado.

Na síntese estatística esta segunda-feira divulgada, a AICCOPN destaca a região Norte, onde se observou um aumento homólogo de 61,4% nos fogos licenciados em construções novas nos 12 meses terminados em fevereiro de 2019 (para um total de 9.379), dos quais 67,7% são de tipologia T3 ou superior e 23,3% são de tipologias inferiores.

Quanto aos valores de avaliação bancária na habitação nesta região, “verificou-se em fevereiro um aumento em termos homólogos de 8,0% para 1.163 euros por metro quadrado”.