Futsal

“Vamos continuar a dignificar o país”. Equipa de futsal do Sporting recebida por centenas de adeptos em Lisboa

126

A equipa de futsal do Sporting, que este domingo venceu a Liga dos Campeões, foi recebida por centenas de adeptos na Praça do Município. "Vamos continuar a dignificar o país", disse Varandas.

A comitiva leonina chegou ao Figo Maduro pouco antes das 15h

Filipe Amorim

Na quarta final europeia em nove anos e na terceira consecutiva, o Sporting conseguiu finalmente alcançar a tão desejada vitória na Liga dos Campeões de futsal e tornou-se a segunda equipa portuguesa a consegui-lo, depois de o Benfica ter batido os espanhóis do Inter na final de 2010 (quando a competição ainda se chamava UEFA Futsal Cup). Este domingo, um golo de Cavinato e outro de Merlim foram suficientes para vencer os cazaques do Kairat Almaty, que jogavam em casa e tinham deixado para trás o Barcelona nas meias-finais.

A conquista europeia do Sporting, mais do que um objetivo que foi escapando por entre os dedos nas duas temporadas anteriores, foi o realizar de um projeto que se sagrou tricampeão nacional pela segunda vez na história no final da época passada e que queria juntar a inédita glória europeia aos feitos internos. Foi exatamente isso que Frederico Varandas, presidente leonino, disse ainda este domingo aos microfones da televisão oficial do clube de Alvalade. “Este é um dia de emoção e um dia de história. Era um título que perseguíamos há mais de uma década e, no primeiro ano em que a UEFA lhe dá a dignidade máxima, o troféu é do Sporting. Tenho um grande orgulho em todo o grupo e estrutura. Não éramos os favoritos, mas os heróis nunca partem favoritos e estes jogadores tornaram-se imortais na história do Sporting”, atirou Varandas.

Opinião corroborada por Miguel Albuquerque, diretor para as modalidades do clube, que afirmou em declarações à Sporting TV que os leões cumpriram “um objetivo que fugia há uma vida”. A vitória da equipa de futsal leonina, porém, extrapolou modalidades e planos de ação e chegou ao futebol, onde Bruno Fernandes decidiu dar os parabéns aos conjunto orientado por Nuno Dias, recordando uma frase de José Alvalade. “‘Queremos que o Sporting seja um clube tão grande como os maiores da Europa’. Hoje vocês os maiores e melhores da Europa, parabéns a todos vocês!”, escreveu o internacional português. Também Sebastián Coates assinalou o feito nas redes sociais, assim como Carlos Ruesga, central espanhol da equipa de andebol dos leões.

Esta segunda-feira, a comitiva leonina que esteve no Cazaquistão chegou a Portugal por Figo Maduro pouco antes das 15h e foi recebida por Fernando Medina na Câmara Municipal de Lisboa, na Praça do Município, por volta das 17h30. João Matos, capitão de equipa, ladeado por Frederico Varandas e Miguel Albuquerque, ofereceu uma camisola do Sporting ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa — e celebrou depois, de forma habitual, na varanda do edifício da autarquia, mostrando o troféu aos cerca de 200 adeptos que receberam a equipa.

“Não dormimos há 24 horas, estamos amarrotados, cansados, mas com o coração cheio, de quem é campeão europeu. Este título é muito importante, com grande significado. Já temos 34 títulos europeus, mas faltava esta modalidade, muito querida ao desporto nacional e ao Sporting. Há mais de uma década que procurávamos este título. Primeira final em 2011, tivemos mais duas e à quarta foi de vez. Acabou por ser como eu acho que teria de ser, com a maior dignidade possível. Num ano em que a UEFA agarra na modalidade e dá o patamar merecido. É a primeira Liga dos Campeões, à imagem do Futebol 11 e o Sporting fica para a história, como o primeiro vencedor. Ainda bem para o desporto português que este existe. O Sporting é um clube que não tem fronteiras, espalhado por todo o mundo. Mas é em Lisboa que estamos sediados. Vamos continuar a dignificar o país”, disse Frederico Varandas na Câmara Municipal de Lisboa. Ainda esta tarde, os leões vão festejar com os adeptos no Pavilhão João Rocha.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)