Rádio Observador

Alojamento Local

Assembleia Municipal volta a chumbar suspensão de novas licenças de Alojamento Local no Porto

Ao contrário da moção do BE, a recomendação da CDU foi aprovada por maioria, que propunha que, num prazo de 30 dias, a autarquia apresentasse uma proposta de regulamentação da atividade de alojamento.

A deputada defendeu ainda a criação de um gabinete de emergência social que apoie os inquilinos e preste aconselhamento jurídico a quem enfrenta situações diárias de assédio e ameaça

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Assembleia Municipal do Porto voltou a chumbar esta segunda-feira a moção do Bloco de Esquerda (BE) que pedia a suspensão, durante um ano, das novas licenças de Alojamento Local (AL) na cidade, com caráter de urgência.

“A proposta que aqui trazemos reitera a emergência em face da qual se encontra a cidade (…) São mais e mais as notícias que nos chegam de acidentes, uns mais trágicos, mas todos perturbadores, derivados da pressão imobiliária que sofre o Porto. Propomos por isso, novamente, com caráter de urgência que a câmara estabeleça a suspensão de novas licenças de alojamento local na cidade durante um ano”, afirmou, na sua intervenção, a deputada do grupo municipal do BE, Susana Constante Pereira.

A deputada defendeu ainda a criação de um gabinete de emergência social que apoie os inquilinos e preste aconselhamento jurídico a quem enfrenta situações diárias de assédio e ameaça, além de um Observatório Municipal que pudesse intervir no licenciamento do alojamento local e dos empreendimentos hoteleiros.

Para Susana Constante Pereira é ainda necessário preparar uma campanha de informação sobre os direitos dos munícipes, o papel da câmara no licenciamento e a lei em geral.

“Os números estão à vista, o recuo é uma falácia sobretudo quando temos as pessoas confrontadas com situações dramáticas (…) O bullying imobiliário já foi criminalizado. Com a entrada em vigor, em outubro do ano passado da legislação 62/2018, os municípios passam a ser responsáveis pela fiscalização dos registos e vistoria podendo opor-se ou mesmo cancelar registos que se insiram em áreas de contenção que têm que ser definidas. Meses corridos esta definição ainda não foi trazida a esta assembleia”, defendeu.

Já o líder da bancada de Rui Moreira, André Noronha, rejeitou que haja uma situação de emergência, justificando o timing da proposta com a proximidade das eleições.

Segundo o deputado, os números do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram, por exemplo, que o preço por metro quadrado no Porto é cerca de metade de Lisboa e fora do centro histórico, referiu, os preços médios por metro quadrado estão 17,5 % abaixo dos registados em 2017.

“Portanto não é uma situação de emergência nacional, de catástrofe. É uma situação que merece a nossa preocupação sim, mas não devemos fazer alarme disto”, concluiu.

Uma ideia acompanhada pelo deputado da CDU Artur Ribeiro que considerou que a situação no Porto não é comparável à de Lisboa e defendeu que, no entender da CDU, há zonas da cidade onde o alojamento local deve ser permitido ainda que de forma regulada.

Também a deputada do PAN, Bebiana Cunha, considera que a autarquia deve regulamentar o alojamento local com a máxima urgência, lembrando até que agora ainda não é conhecido o resultado do estudo pedido pelo município.

Já o deputado do PS Gustavo Pimenta sublinhou que “o município não pode fingir que o problema não existe”, ideia defendida também pelo líder da bancada do PSD, Alberto Machado, que apesar de considerar “absolutamente” necessária a regulamentação do alojamento local, numa cidade, que segundo o mesmo, continua a perder habitantes, votou contra a moção do BE.

Já quanto à moção da CDU que propunha que, num prazo de 30 dias, a autarquia apresentasse uma proposta de regulamentação da atividade de alojamento local na cidade, o deputado votou favoravelmente.

Ao contrário da moção do Bloco, que foi rejeitada, neste ponto, a recomendação da CDU foi aprovada por maioria.

No dia 12 de novembro, o Bloco de Esquerda já tinha apresentado uma recomendação idêntica à votada esta segunda-feira, contudo, à data, a moção acabou também por ser rejeitada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)