Rádio Observador

Rep Democrática do Congo

Autoridades confirmam 26 mortes por Ébola num só dia na RD Congo

O controlo deste vírus, o mais letal na história da RDC, tem sido dificultado pela recusa de algumas comunidades em receber tratamento e pela insegurança na área, onde operam numerosos grupos armados.

Um total de 411 pessoas conseguiu superar a doença

AHMED JALLANZO/EPA

O número de mortes causadas pelo contágio do vírus Ébola em duas províncias do nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo) aumentou para 957 depois de terem sido confirmados 26 óbitos num só dia relacionados com a infeção.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde do país, a maioria das novas mortes (15) ocorreram fora do meio hospitalar, o que aumenta as hipóteses de contágio da infeção.

De acordo com os últimos dados, divulgados na segunda-feira pelo Ministério, o surto afeta as províncias de Kivu do Norte e Ituri desde 01 de agosto do ano passado.

O controlo deste surto, o mais letal na história da RDC, tem sido dificultado pela recusa de algumas comunidades em receber tratamento e a insegurança na área, onde operam numerosos grupos armados.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e organizações não-governamentais como os Médicos Sem Fronteiras foram forçados a suspender algumas atividades em áreas como Butembo (um dos principais ativos atuais focos) devido a ataques aos seus centros.

O mais grave desses ataques resultou a morte de um epidemiologista que havia sido enviado pela OMS para aquela cidade para apoiar os esforços para controlar a atual epidemia de Ébola.

Um total de 411 pessoas conseguiu superar a doença.

O governo congolês também publicou os resultados de investigações realizadas nos últimos anos que revelam que dois em cada 10 sobreviventes do Ébola desenvolvem problemas oculares de diferentes tipos, desde inflamação dos olhos até perda total da visão.

Estes problemas ocorrem devido aos efeitos colaterais do tratamento experimental que não tem a aprovação oficial das autoridades de saúde, mas que está a ter bons resultados nos últimos surtos da doença.

O Ministério da Saúde, em conjunto com a OMS, instalou centros oftalmológicos nas cidades de Beni e Butembo para fazer exames médicos aos sobreviventes.

O Ministério da Saúde da RDCongo admitiu que a epidemia de Ébola, nas províncias de Kivu Norte e Ituri, é já a maior da história do país relativamente ao número de contágios.

A RDCongo foi atingida nove vezes pelo Ébola, depois da primeira manifestação do vírus no país africano, em 1976.

É a primeira vez que uma epidemia de Ébola é declarada numa zona de conflito, onde existe uma centena de grupos armados, o que leva à deslocação contínua de centenas de milhares de pessoas que podem ter estado em contacto com o vírus e a dificuldades na resposta à doença das organizações de socorro.

O mais devastador surto de ébola a nível mundial foi registado em março de 2014, na Guiné Conacri, Serra Leoa e Libéria.

Dois anos depois, em janeiro de 2016, a OMS declarou o fim da epidemia, que causou 11.300 mortos, sendo que, no total, foram contagiadas 28.599 pessoas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)