Uma mulher com 40 anos morreu na tarde desta terça-feira na sequência de um tiro disparado por um colega de trabalho junto ao Millenium BCP, em Oeiras. O corpo da vítima mortal foi encontrado no interior de uma viatura, sendo que o alegado homicida tentou o suicídio logo de seguida. O suspeito tinha uma obsessão pela mulher e já perseguia a vítima.

O corpo da mulher foi encontrado às 13h30 numa viatura estacionada perto do banco onde ambos trabalhavam no mesmo departamento, junto ao Taguspark. Segundo o Diário de Notícias, o crime ocorreu no interior da viatura e foi passional. O homem tinha uma obsessão pela mulher, não correspondida, e perseguia a vítima. A forma como a polícia encontrou os dois no carro aponta para isso mesmo: depois de ter atingido a mulher, o homem deitou a cabeça sobre o seu colo e disparou sob o próprio queixo.

O homem, de 44 anos, ficou em estado grave e foi transportado para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

O marido da vítima, também funcionário no banco, esteve no local e já tinha alertado a segurança da instituição para o comportamento violento do suspeito em relação à mulher, adianta o Diário de Notícias. No entanto, esta versão não é confirmada pelos restantes elementos da equipa de trabalho, que se mostraram muito surpreendidos com o desfecho do caso.

A mulher deixa dois filhos menores: uma menina de quatro anos e um rapaz de nove. O marido da vítima está a receber apoio psicológico.

Fonte policial contou à Lusa que a PSP recebeu, pelas 13h30, via 112, o alerta de que “estariam a ocorrer agressões num parque de estacionamento do Taguspark — Oeiras”, enviando para o local vários meios policiais da Divisão Policial de Oeiras. “Poucos minutos depois, o primeiro meio a chegar ao local verificou que, no interior de um veículo ligeiro de passageiros, estariam duas pessoas com ferimentos de arma de fogo, sendo que uma mulher, com 40 anos, já se encontrava cadáver, e outra, um homem, com 44 anos, tinha ainda sinais vitais”, explicou esta fonte.

Fonte oficial da PSP confirmou ao Diário de Notícias que se tratou de um homicídio, seguido de tentativa de suicídio. A PSP assumiu o comando tático da operação, criando perímetros de segurança para aguardar pela PJ, que foi chamada ao local por ter competência para investigar o crime em causa.

O Observador contactou a Polícia Judiciária (PJ), que não quis para já comentar o caso.

No local estiveram os Bombeiros de Barcarena, uma viatura de emergência médica do INEM e uma equipa de psicólogos do INEM, além da PSP e da PJ, num total de 15 operacionais e sete veículos.

Texto alterado às 22h55