Esta quinta-feira realizam-se eleições autárquicas em partes de Inglaterra e na Irlanda do Norte e os resultados poderão dar indicações sobre as eleições para o Parlamento Europeu três semanas mais tarde se entretanto o Reino Unido não sair da União Europeia.

Os eleitores vão escolher 8.425 lugares em 248 dos 343 municípios da Inglaterra e a totalidade dos 462 lugares nos 11 concelhos da Irlanda do Norte, aos quais concorreram mais de 25 mil candidatos.

As mesas eleitorais vão estar abertas entre as 07:00 e as 22:00 locais (mesma hora em Lisboa) e a maioria dos boletins deverão começar a ser contados logo a seguir, devendo parte dos resultados ser conhecidos durante a madrugada.

Mais da metade dos municípios estão sob controlo do Partido Conservador e 67 são dirigidos pelo Partido Trabalhista, pelo que é o partido do governo que tem mais a perder.

Embora o que está em causa sejam questões locais, como a reparação de estradas, a recolha do lixo, mas também responsabilidades com as escolas, serviços sociais, polícia, planeamento urbano, bombeiros e alguns impostos, a política britânica continua dominada pelo Brexit.

O impasse do processo de saída do Reino Unido da União Europeia é atribuído pela opinião pública à incompetência do governo da primeira-ministra, Theresa May, pelo que os prognósticos são piores para os ‘tories’.

O analista Robert Hayward fez uma projeção que antecipa a perda de 800 lugares atualmente detidos pelo partido Conservador, e a conquista de 300 pelo partido Trabalhista, principal força da oposição.

O mesmo estudo indicou que os Liberais Democratas, que tinham sofrido bastante nas eleições autárquicas de 2015, poderão recuperar até 500 lugares.

A confirmarem-se, estes números poderão antecipar um potencial desaire do partido Conservador nas eleições europeias, previstas para 23 de maio, nas quais vai concorrer também com os eurocéticos do UKIP e Partido Brexit, de Nigel Farage.