Rádio Observador

GNR

Militares da GNR e bombeiro sabem se vão a julgamento por agressões em esquadra

Seis militares da GNR e um bombeiro que terão agredido um homem em Cascais acusados pelo MP de ofensa à integridade física qualificada sabem esta quinta-feira se vão a julgamento.

O homem ficou duas semanas de baixa médica devido às agressões

NUNO VEIGA/LUSA

Seis militares da GNR e um bombeiro, que terão agredido um detido no interior da esquadra do subdestacamento de Alcabideche, em Cascais, acusado de injúrias e agressões a alguns dos guardas, sabem esta quinta-feira se vão a julgamento.

O ofendido e também arguido no processo requereu a abertura de instrução, fase facultativa em que um juiz de instrução criminal decide se os arguidos vão e em que moldes a julgamento, estando a leitura da decisão instrutória marcada para as 12:00 no Tribunal de Cascais.

Os militares da GNR e o bombeiro, com idades entre os 29 e os 35 anos, estão acusados pelo Ministério Público (MP), em coautoria, de um crime de ofensa à integridade física qualificada, enquanto o homem está acusado de três crimes de injúria agravada, de um crime de resistência e coação sobre funcionário e de um crime de ofensa à integridade física qualificada.

Segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso, pelas 19:00 de 20 de junho de 2015 dois dos guardas arguidos e outros dois militares – todos fora de serviço e sem farda vestida – deslocaram-se num automóvel a um café no Bairro Novo de Alcoitão, em Alcabideche, concelho de Cascais (distrito de Lisboa).

Depois de atendidos e já no exterior do estabelecimento comercial, surgiu um homem que reconheceu os militares e, ao passar junto deles, dirigiu-se a moradores que ali se encontravam, dizendo: “estes aqui não são bem-vindos, agora estamos iguais, isto aqui é nosso”.

Quando os guardas se preparavam para entrar no veículo, o arguido, de 33 anos, proferiu ofensas verbais e voltou a dizer em voz alta: “vão embora que é melhor, aqui a vossa raça não é bem-vinda […], vai tudo corrido à pancada ou então nem vivos saem daqui, só vos levam a pele”.

Quando um dos GNR se aproximou, o homem deu-lhe um estalo e chamou outros que ali estavam, tendo “cerca de 7 indivíduos, cuja identidade não foi apurada”, agredido os guardas com empurrões, socos e pontapés.

O MP diz que, depois de deixarem um dos guardas no hospital, (que sofreu traumatismo craniano, com perda de conhecimento, e teve de ficar 15 dias de baixa médica), três dos militares da GNR regressaram ao Bairro Novo de Alcoitão e chamaram reforços para deterem o arguido que incentivou e cometeu as agressões.

O homem foi levado para a esquadra do subdestacamento de Alcabideche, estando presente um bombeiro, amigo dos guardas e também arguido no processo.

No interior da esquadra, os sete arguidos (seis militares da GNR e o bombeiro) “decidiram agredir” o detido.

“Mediante plano entre todos concertado e aceite, desferiram um número indeterminado de golpes, com objetos não concretamente apurados, de natureza contundente ou atuando como tal, atingindo [o detido] nas costas, pernas, nuca e rosto”, relata a acusação.

O homem ficou duas semanas de baixa médica devido às agressões.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)