Rádio Observador

Pintura

Rede Aga Khan vai financiar restauro de pinturas doadas a Portugal

708

Em causa estão três pinturas do pintor régio de D. Pedro II, Bento Coelho da Silveira, doadas ao Museu Nacional Soares do Reis, no Porto, e ao Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O príncipe Amyn Aga Khan revelou esta quinta feira que vai financiar o restauro das três pinturas do pintor régio de D. Pedro II, Bento Coelho da Silveira, doadas ao Museu Nacional Soares do Reis, no Porto, e ao Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

O anúncio foi feito na cerimónia de doação da pintura “Apresentação da Virgem no Templo”, que foi oferecida pelos príncipes Aga Khan e Amyn ao Museu Nacional de Soares dos Reis, onde a obra vai ficar exposta.

“Posso acrescentar que não só demos estas pinturas a estes museus, [como] obviamente vamos financiar o restauro destas imagens, tanto em Lisboa, como aqui”, anunciou.

Na cerimónia que contou com a presença da secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, o príncipe Amyn explicou que houve a preocupação de partilhar com o público de todo o país estas pinturas, daí a escolha de oferecer a “Apresentação da Virgem no Templo” ao Porto.

“Quando estas pinturas foram descobertas em Lisboa, nós decidimos que a qualidade era tamanha que devia ser partilhada com os portugueses em geral. E daí a decisão de dar duas das pinturas a Lisboa e trazer esta para o Porto, em parte para assegurar que cobrisse o país inteiro e não estivesse exclusivamente concentrado em Lisboa”, declarou.

O príncipe Amyn considerou que, com esta doação, o Museu Soares dos Reis vai ser capaz de iniciar um novo ciclo que vai cobrir os séculos anteriores assim como o século XIX, apesar do facto de o museu ter sido batizado com o nome de um escultor do século XIX.

“Estou contente, isto vai adicionar um novo ciclo a este museu, que eu penso não poderia ser mais interessante, ainda mais porque sinto que este museu tem um grande potencial na área da educação”, observou.

A “Apresentação da Virgem no Templo”, de Bento Coelho da Silveira, óleo sobre tela com 228 por 216 centímetros, data do ano de 1695.

As obras foram doadas através do Imamat Ismaili e da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento, entidades que estabeleceram um acordo, em 2015, com o Estado Português, para instalação da sua sede mundial em Lisboa.

No dia 29 de março, foram doadas, ao Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, duas pinturas portuguesas do século XVII, do mesmo pintor, o “Repouso no Regresso do Egipto” e “Virgem com o Menino e a Visão da Cruz”.

“Repouso no Regresso do Egipto”, óleo sobre tela com 219 por 216 centímetros, de 1695, “é uma obra admirável de Bento Coelho, pela sua dinâmica e encenação assumidamente barrocas”, descrevia em comunicado o Ministério da Cultura, à data da cerimónia de doação.

Já “Virgem com o Menino e a Visão da Cruz”, óleo sobre tela com 221 por 227 centímetros, também de 1695, segue de perto a obra do pintor maneirista Maarten de Vos (1532-1603), conhecida através de uma gravura de 1614, de Raphael Sadeler.

A Igreja de São Cristóvão, em Lisboa, reúne um dos maiores núcleos conhecidos de obras do pintor maneirista Bento Coelho da Silveira, com 44 telas, entre as quais a “Última’ Ceia”, recém-restaurada no âmbito de uma ação de financiamento coletivo, inserido no projeto “Arte por São Cristóvão”, do Orçamento Participativo de Lisboa, que mobilizou artistas como Rui Chafes e Madalena Vitorino.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)