Câmara Municipal Lisboa

Câmara de Lisboa e plataformas de trotinetes tentam reduzir vandalismo de equipamentos

Segundo a plataforma Hive, todos os dias há trotinetes vandalizadas. As plataformas, a autarquia e a PSP estão a trabalhar em conjunto para garantir o bom uso dos aparelhos e já há patrulhas nas ruas.

Tem sido notório o aumento do número de trotinetes vandalizadas na cidade de Lisboa

José Sena Goulão/LUSA

Plataformas de partilha de trotinetes e a Câmara Municipal de Lisboa (CML) têm realizado diversas reuniões para tentar diminuir os casos de vandalização dos equipamentos, tendo já sido criadas patrulhas de apoio.

Joana Pereira Correia, responsável pela atividade da Hive em Portugal, uma das plataformas em funcionamento na cidade de Lisboa, explicou à agência Lusa que, desde o lançamento em novembro de 2018, tem havido “um aumento de vandalismo contra as trotinetes” e de outros tipos de transportes alternativos que “tenham um sistema que não esteja preso a uma doca”. “Quanto a trotinetes vandalizadas, não consigo dar números concretos, mas posso dizer que todos os dias temos pelo menos uma trotinete vandalizada”, salientou.

Já Luís Pinto, diretor de expansão da Lime em Portugal, referiu que, no que toca a vandalismo e assaltos à frota, a empresa tem “registado menos de 1% de situações”. De acordo com a representante da Hive, têm ocorrido reuniões mensais com a câmara, encontros que “têm servido como canal de comunicação entre as várias entidades e os vários operadores”.

“A câmara dá-nos visibilidade sobre o tipo de problemas que a cidade tem, que os utilizadores revelam, sugere melhorias ao nosso serviço e todos, de forma cooperativa, tentamos solucionar e fazer com que este tipo de problemas na mobilidade alternativa, que ajuda tantas cidades, aconteça e se desenvolva na cidade da melhor forma possível”, acrescentou Joana Pereira Correia.

Também a Lime está em “colaboração contínua” com a CML “para tornar as trotinetes uma solução de mobilidade para a cidade”, disse Luís Pinto.

De forma a combater o vandalismo sobre os seus equipamentos, a Hive reuniu-se com a Polícia Municipal e a Polícia de Segurança Pública (PSP), estando a ser feito um trabalho conjunto para tentar minimizar ou extinguir esses atos.

“Há certas zonas onde nós verificámos que existe uma maior ocorrência deste tipo de vandalismos, seja porque estão perto de sítios de diversão noturna, bares, etc., seja porque estão em sitos mais escondidos dos olhos das pessoas e, portanto, o nosso primeiro passo foi consciencializar a polícia de que estas situações aconteciam e dar-lhe casos do nosso problema”, referiu Joana Pereira Correia.

Ambas as plataformas têm já no terreno patrulhas responsáveis “por ajudar a organizar a cidade e sensibilizar as pessoas para as boas práticas de utilização e estacionamento das trotinetes”. “A equipa patrulha as principais artérias da cidade, ruas com passeios estreitos e outros locais em que as trotinetes são usadas com frequência”, explicou Luís Pinto.

A patrulha da Hive, segundo Joana Pereira Correia, foca-se “exclusivamente em retirar trotinetes que estejam em frente a portas, garagens, em cima de passeios ou deitadas no chão, ou seja, que estejam a prejudicar o funcionamento normal da cidade”.

A Lusa contactou a CML e a PSP para obter mais informação sobre o problema, mas ainda não obteve resposta. No entanto, fonte da autarquia confirmou a realização de reuniões frequentes.

Nas redes sociais, são por várias vezes publicadas imagens que revelam casos de estacionamento incorreto e vandalismo, tendo sido já mostradas fotos com trotinetes dentro da água do rio Tejo, partidas na rua ou em cima de uma árvore.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Conversa da obstreta /premium

José Diogo Quintela

Como é que Costa acha que vão reagir os condutores de ambulâncias quando começarem a ser agredidos por grávidas irritadas, às voltas em Lisboa à procura da urgência que calha estar aberta naquele dia?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)