Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de algumas dificuldades em contactar alguns dos visados ou de conciliação de agenda, ficaram fechadas as datas para as primeiras audições de alguns dos clientes e devedores da Caixa Geral de Depósitos cujas operações estão sinalizadas na auditoria da EY.

Deputados com dificuldade em chegar a alguns clientes da Caixa. Berardo pode ser ouvido a 10 de maio

A audição de Joe Berardo, uma das mais aguardadas da segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização do banco, ficou marcada para a próxima sexta-feira, dia 10 de maio, às 14.30. Para dia 9, ficou agendada a inquirição a Diogo Gaspar Ferreira que foi acionista e presidente da sociedade gestora de Vale do Lobo até ao final de 2017. No dia 8, quarta-feira, é a vez de Manuel Matos Gil, em representação do grupo Imatosgil, que levou a CGD a investir no capital da empresa química catalã La Seda.

Por agendar estão ainda outros dois grandes devedores do banco público, Joaquim Barroca, ex-presidente do grupo Lena que terá já invocado a sua condição de acusado na Operação Marquês no quadro dos contactos com os serviços da comissão, e Manuel Fino, que foi acionista da Cimpor e da Soares da Costa, ou alguém que o represente.

A semana de audições arranca na terça-feira de manhã com os dois responsáveis do Banco de Portugal pelo departamento de supervisão no período temporal abrangido pela comissão de inquérito. Ainda esta sexta-feira, Faria de Oliveira fecha o ciclo de audições a ex-presidentes da CGD, depois de terem sido ouvidos António de Sousa e Carlos Santos Ferreira. Os deputados acordaram deixar de fora outros ex-presidentes da Caixa durante entre 2000 e 2015, como Vítor Martins e José de Matos, por considerarem que não era tão relevante a intervenção nestes mandatos nas operações consideradas mais ruinosas e por necessidade contenção do número de pessoas chamadas.