Um total de quatro militares e 13 opositores foram mortos esta sexta-feira em confrontos entre um destacamento das Forças Armadas da República Democrática do Congo e uma milícia, na província de Ituri, no nordeste do país.

“Neste ataque ao nosso destacamento em Musekere, as Forças Armadas da República Democrática do Congo (FARDC) mataram treze milicianos” e “perdemos quatro dos nossos militares.”, declarou à AFP o tenente-general Egide Ngoy, comandante da força congolesa destacada na província de Ituri.

Musekere é uma localidade situada junto do lago Alberto, na mesma província, no território de Djugu, que faz fronteira a este com o Uganda. Segundo o oficial, “os atacantes pertenciam a um grupo armado constituído por membros da comunidade lendu”.

Egide Ngoy afirmou que as Forças Armadas congolesas tinham já expulsado os milicianos do território, que tentaram recuperar, em efeito, no confronto de ontem. “Os nossos homens seguraram e combateram o inimigo fora de Musekere”, assegurou o tenente.

Em 2018, os confrontos entre as milícias dos grupos étnicos hema e lendu pelo controlo do território de Djugu fizeram mais de uma centena de mortos e obrigaram à deslocação de mais de 300.000 pessoas para o interior da província de Ituri e para o Uganda. Desde 2018, as Forças Armadas da República Democrática do Congo denunciam regularmente a ocorrência de ataques de grupos armados locais e estrangeiros, que normalmente têm como alvo os destacamentos nas províncias de Kivu do Norte e de Ituri.