Venezuela

Manhã tranquila em Caracas com aparato militar visível

O apelo do autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, para que os venezuelanos fossem para a rua não teve grande expressão de manhã. Regime de Maduro colocou aparato militar visível.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Ao quarto dia, depois da anunciada transição de poder, Caracas manteve-se pacata, pouca gente nas ruas. A diferença está em pontos chave da cidade, onde o regime colocou estrategicamente carros antimotim, tanques e dezenas de militares fortemente armados.

Num nó estratégico de ligação a uma via rápida que percorre toda a cidade, perto da Praça Venezuela, estavam durante a manhã muitas dezenas de militares armados e vários tanques. Um sinal de que o regime está precavido para algum tipo de movimentação civil.

O apelo do autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, para que os venezuelanos fossem para a rua e se dirigissem às instalações militares com uma carta apelando ao fim da violência e à transição democrática no país, não foi muito percetível durante a manhã. A Praça Altamira praticamente deserta, as instalações militares de Carlota igualmente sem gente, apenas alguns jornalistas e o ambiente semelhante nas principais zonas da cidade.

A equipa de reportagem da Lusa encontrou apenas uma exceção, em El Paraíso, na pequena praça Washington: uma concentração de cidadãos protestando contra o regime.

Dezenas de jornalistas deslocaram-se para o local e, a dado momento, a sensação era de que existiam mais repórteres do que manifestantes, tal era o aparato.

Ali viveu-se o ambiente normal de um protesto pacífico, com faixas de apelo aos militares venezuelanos: “Soldados, este é o teu povo que tu deves defender”.

Entre as palavras de protesto ouvidas na praça, a indignação pelas condições de vida cada vez mais degradantes e o apelo a Maduro para que abandone o poder e dê lugar a um processo democrático para uma transição política.

Entre os manifestantes encontravam-se dirigentes políticos da oposição, mas também cidadãos comuns, famílias inteiras, desde os mais jovens aos mais idosos.

O único fator de perturbação que ocorreu foi a passagem ameaçadora junto à praça de um ‘comboio’ de motos da Guarda Nacional Bolivariana, com militares armados. Passaram apenas duas vezes e, quando os jornalistas se viraram para a avenida à espera de mais uma passagem, ela não aconteceu.

Quando questionados sobre se a ação de dia 30, quando Juan Guaidó deu a entender que iria ocorrer uma transferência de regime, terá sido um fracasso, todas as pessoas dizem que não, que “o processo continua em curso” e que as pessoas não vão desistir enquanto não terminar a usurpação do poder por parte de Maduro.

Para hoje estão previstas manifestações pró e contra o regime de Nicolás Maduro.

Guaidó, que na madrugada da passada terça-feira desencadeou um golpe de força contra o regime, em que envolveu militares e apelou à adesão popular, pediu para que hoje os venezuelanos e suas famílias se manifestem junto às instalações militares para que o Exército deixe cair o Presidente do país, Nicolás Maduro.

A iniciativa da passada terça-feira constituiu o arranque da denominada “Operação Liberdade” que, segundo Guaidó, visa pôr termo ao que chama de “usurpação” da presidência por Nicolás Maduro.

A presidência interina de Guaidó é reconhecida por cerca de 50 países, incluindo os Estados Unidos da América, enquanto Maduro, que tem o apoio da Rússia, além de Cuba, Irão, Turquia e alguns outros países, considerou que a “Operação Liberdade” configura uma tentativa de golpe de Estado.

Nicolás Maduro, que tem sido alvo de forte contestação nas ruas, mas que aparentemente mantém o controlo das instituições, continua a ver as chefias militares a confirmarem-lhe a lealdade, mantendo a situação do país num impasse.

Os confrontos registados desde a madrugada da passada terça-feira provocaram a morte de cinco manifestantes, três dos quais menores, e 239 ficaram feridos, segundo informações das Nações Unidas

JPF/FPG // VAM

Lusa/Fim

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)