Rádio Observador

Conflito Israelo-palestiniano

Secretário de Estado dos EUA diz que Israel tem “todo o direito em se defender”

Secretário de Estado dos EUA classificou de "muito séria" nova escalada de violência, em que morreram, até agora, três civis israelitas e nove palestinianos, entre os quais um bebé de 14 meses.

JIM LO SCALZO/EPA

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, disse hoje que Israel tem “todo o direito em se defender” depois dos palestinianos terem intensificado os ataques com ‘rockets’ contra cidades do sul do país.

Em declarações no programa de televisão “Fox News Sunday”, do canal norte-americano Fox, Mike Pompeo classificou “muito séria” esta nova escalada de violência, em que morreram, até agora, três civis israelitas e nove palestinianos, entre os quais um bebé de 14 meses.

“O surto foi uma das mais sangrentas batalhas desde a guerra de 2014. Rockets palestinianos mataram pelo menos três israelitas e feriram mais de cem pessoas. Ataques aéreos retaliatórios israelitas mataram pelo menos nove palestinianos e feriram mais de 110”, disse o secretário de Estado norte-americano, esperando que se possa “regressar ao cessar-fogo que esteve em vigor durante semanas”.

Desde sábado que os palestinianos lançaram cerca de 600 ‘rockets’ contra Israel, que respondeu com bombardeamentos sobre objetivos militares da Faixa de Gaza.

A aviação israelita continuou a atacar diversos objetivos do Hamas, que controla o enclave, e da organização islamita Jihad Islâmica, aos quais responsabiliza pela escalada de violência.

O enviado da ONU para Médio Oriente pediu hoje, na rede social Twitter, o fim da violência em Israel e na Faixa da Gaza.

“Vidas palestinianas e israelitas foram perdidas, pessoas feridas, casas danificadas e destruídas”, escreveu Nickolay Mladenov, pedindo para que se regresse “aos entendimentos dos últimos meses antes que seja tarde demais”.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, anunciou hoje que deu instruções ao exército israelita para continuar com os “ataques massivos” contra alvos do Hamas e da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza.

“Dei instruções ao exército para continuar os ataques massivos contra os elementos terroristas da Faixa de Gaza, e ordenei para que as forças estacionadas em redor da Faixa de Gaza fossem reforçadas com tanques, artilharia e tropas”, disse Netanyahu ao conselho de ministros, de acordo com seus serviços.

Esta escalada de violência segue-se às manifestações de sexta-feira, as mais violentas das últimas semanas, desde se iniciaram em março do ano passado, para reivindicar o regresso dos refugiados e o fim do bloqueio.

As Nações Unidas e o Egito estão a mediar desde a última noite as partes para conter a escalada de violência e retomar o acordo de “calma por calma”, que inclui um alívio do bloqueio em Gaza e o fim da instabilidade na fronteira pela parte das milícias.

Israel, que como a União Europeia ou os Estados Unidos, considera o Hamas uma organização terrorista, mantém o enclave sob bloqueio desde que os islamitas assumiram o poder em 2007 e responsabiliza-os pela violência procedente da Faixa de Gaza.

As Nações Unidos, o Egito e o Qatar têm trabalhado nos últimos meses para um acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas, grupo islâmico que governa a Faixa de Gaza.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)