Rádio Observador

EMEL

EMEL lança novo concurso para expansão da rede Gira na próxima semana

A empresa vai lançar cerca de mais 2000 bicicletas e criar mais 200 estações. 80% das novas bicicletas serão elétricas. O novo concurso terá um preço base entre 40 e 50 milhões de euros.

A EMEL vai ainda celebrizar um novo contrato com a Siemens, que controla o sistema elétrico das bicicletas

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa vai lançar na próxima semana um novo concurso para a expansão da rede de bicicletas partilhadas Gira, que prevê um máximo de 350 estações e 3.500 bicicletas, foi esta segunda-feira anunciado.

Falando na reunião da Comissão Permanente de Mobilidade na Assembleia Municipal de Lisboa, Jorge Oliveira, do conselho de administração da EMEL, avançou que a empresa prevê lançar o novo concurso público na próxima semana, com um preço base entre 40 e 50 milhões de euros. Cerca de 80% das bicicletas deverão ser elétricas e 20% tradicionais, pelo que o adjudicatário só entregará bicicletas elétricas.

Segundo Jorge Oliveira, que se escusou a avançar quando é que o sistema estará totalmente implementado, o novo contrato será “adjudicado no verão” e “o início da operação deverá ocorrer no prazo de seis meses”.

A EMEL adiantou também que celebrará ainda esta semana “um contrato com a Siemens, que é quem tem a máquina que permite manter o sistema em funcionamento, por um período de seis meses, para que o sistema não entre em colapso e continue a funcionar melhor do que tem funcionado”, até que haja “novo adjudicatário”.

A empresa (EMEL) rescindiu em abril o contrato com a Órbita, fornecedora das bicicletas do sistema Gira, por incapacidade para prestar o serviço contratualizado.

Questionado pela deputada do BE Isabel Pires sobre se na altura em que foi celebrado o contrato com a Órbita (2016) já “não haveria algum indicador de que poderia existir algum problema”, o presidente da EMEL, Natal Marques, foi perentório: “nada nos fazia prever o que estaria para acontecer”. “Não tínhamos indicadores para desconfiar que o desfecho seria este”, reforçou, acrescentando que o novo concurso corresponderá à extensão da rede Gira, bem como à resolução da primeira fase do sistema que previa a instalação de 140 estações e 1.400 bicicletas.

Jorge Oliveira reiterou que o contrato com a Órbita foi celebrado em 2016 e “só no segundo semestre de 2018 é que a empresa começou a manifestar incapacidade para cumprir o contrato”. A EMEL “fez todo o possível para salvaguardar a empresa e dar-lhes as condições para que eles cumprissem o contrato”, acrescentou.

Intervindo na sessão, o presidente da Comissão Permanente de Mobilidade, António Prôa (PSD), defendeu que a rede Gira “nunca funcionou bem” e “nunca cumpriu aquilo que eram os objetivos e aquilo que eram as obrigações”. Jorge Oliveira justificou que “estes modelos de bicicletas partilhadas são recentes” e “o número de casos de insucesso são superiores aos casos de sucesso”.

A EMEL aplicou penalidades contratuais à Órbita num valor total superior a quatro milhões de euros. Natal Marques adiantou também que a EMEL começou por fazer um adiantamento à Órbita superior a quatro milhões de euros para a aquisição de equipamentos, estando a empresa a dever cerca de 1,8 milhões à empresa de mobilidade. Por isso, referiu Jorge Oliveira, os adiantamentos a serem feitos à nova empresa serão concedidos “em fatias mais pequeninas”.

O vereador da Mobilidade na Câmara Municipal de Lisboa, Miguel Gaspar (PS), disse em março, em entrevista à Lusa, que esperava que o sistema estivesse em todas as freguesias em 2020.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)