Estradas

Requalificação do IP3, a “via rodoviária mais perigosa de Portugal”, em discussão no Parlamento na quarta-feira

A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 pede ao Governo que o piso seja reparado e que se solucionem os problemas das curvas apertadas. Sugerem o alargamento da via e um separador central.

O IP3 liga as cidades de Viseu e Coimbra e é a estrada mais perigosa de Portugal, sendo mesmo apelidada de "estrada da morte"

Nuno Andre Ferreira/LUSA

A necessidade urgente de obras no Itinerário Principal (IP) 3, que liga Viseu a Coimbra, vai estar em debate na quarta-feira, no Parlamento, com a apreciação de duas petições e a discussão de quatro projetos de resolução.

As petições, cuja apreciação está agendada para a reunião plenária de quarta-feira, foram apresentadas pela Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 e por responsáveis de associações empresariais e comerciais e da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões. A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 defende que “se proceda com urgência à reparação do piso, em particular as brechas no pavimento, em Espinheira e Souselas, se nivele a plataforma onde há abatimentos e se reforce e repare barreiras e taludes”.

Na petição, é ainda pedido que “se corrijam os graves problemas de segurança como as curvas apertadas, as inclinações acentuadas, as zonas onde se formam lençóis de água e os estrangulamentos de via, causadores de muitas colisões e despistes”. O alargamento da via para quatro faixas e a instalação de separador central em toda a sua extensão, mas mantendo-se o não pagamento de portagens, são também defendidos pela associação.

A segunda petição, apresentada pelas associações empresariais de Viseu, de Mangualde e de Lafões, pela associação comercial do distrito de Viseu e pela CIM Viseu Dão Lafões, considera que “a requalificação do IP3, em toda a sua extensão, é muito urgente”. “O IP3 liga Viseu a Coimbra e foi concluído há 30 anos. É a via rodoviária mais perigosa em Portugal, sendo apelidada de ‘estrada da morte'”, recordam.

Nesta petição, é defendido que a requalificação do IP3 “deve incluir os elementos indispensáveis à circulação numa via com elevadíssimo tráfego: duas faixas em cada sentido, separador central, piso correto que drene as águas, iluminação e sinalização adequadas”. No mesmo dia, serão discutidos projetos de resolução do PSD, do PCP, do BE e do PCP.

Os deputados do PSD propõem que a Assembleia da República recomende ao Governo que “execute de imediato todos os procedimentos e ações para a efetiva e urgente implementação de ligação rodoviária em perfil de autoestrada entre Viseu e Coimbra, garantindo a existência de uma solução não portajada”.

O PCP recomenda “a requalificação do IP3, a sua manutenção sem portagens e em condições de segurança”, tal como o BE, que quer que o Governo “proceda com urgência à requalificação do IP3, tendo como solução preferencial a construção de duas vias de circulação em cada faixa de rodagem, em perfil de autoestrada, em todo o trajeto do itinerário”.

Os deputados do Partido Ecologista Os Verdes têm uma recomendação idêntica, mas pedem que, “com a requalificação do IP3, pelo menos nas áreas de maior relevância, sejam assegurados corredores ecológicos como forma de mitigar os efeitos da fragmentação dos ecossistemas e criando as condições para a deslocação de animais”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Exames Nacionais

Mensagem sem Pessoa 

Beatriz Gomes Artilheiro

Sim, o exame teve Pessoa, mais Saramago e Ricardo Reis. Mas não inclui Eça de Queiroz. Crónica de uma aluna enquanto estudava para o exame de hoje de Português do 12º ano. "Valete, fratres". 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)