Rádio Observador

Dinossauros

O Tyrannosaurus rex tinha um primo. Era anão e “só” podia chegar aos 12 metros

Cientista americano conclui que ossadas guardadas no Museu de História Natural de Mesa são de um dinossauro anão, de uma espécie próxima do Tyrannosaurus rex.

AFP/Getty Images

Descoberto em 1998, foi preciso que passassem 20 anos para que alguém se voltasse a interessar pelo velho esqueleto que estava guardado no Museu de História Natural de Mesa, no estado americano do Arizona. Em 2006 os ossos saíram do armário para serem analisados por Sterling Nesbitt, professor do Virginia Tech Colleague of Science (que o descobriu aos 16 anos, mas já lá vamos), que agora chegou a uma conclusão que poucos esperavam: o velho esqueleto é uma espécie de primo do famoso Tyrannosaurus rex.

Suskityrannus Hazelae, assim se chama o parente do dinossauro que faz o imaginário de muitas crianças, tem a particularidade de ser anão e, mesmo assim, conseguir chegar aos 12 metros de altura. Este exemplar em específico terá morrido ainda muito jovem, de acordo com informações avançadas pelo jornal espanhol El Mundo, com cerca de três anos, e um crânio que mediria apenas uns 25 a 32 cm.

A espécie de dinossauro agora revelada terá vivido há cerca de 92 milhões de anos, durante a época geológica do Cretáceo, e foi descoberta no Novo México, precisamente pelo cientista que agora chega a estas reveladoras informações. Nesbitt terá participado numa expedição quando tinha apenas 16 anos quando descobriu as ossadas.

Embora o tamanho do animal pudesse ser considerável, a verdade é que este exemplar tinha cerca de três metros quando morreu, qualquer coisa como o tamanho do crânio de um Tyrannosaurus rex adulto. Alimentava-se de carne, embora o cientista não seja capaz de detalhar que tipo de animais em específico era capaz de comer.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Floresta

As lições que continuamos a não querer aprender

António Cláudio Heitor

É mais fácil culpar o desleixo, a mão criminosa e a falta de gestão dos proprietários, do que assumir o erro de centrar as questões no combate. A raiz do problema está na desertificação do mundo rural

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)