A plataforma de inovação portuguesa Beta-i foi considerada pela Global Finance, uma revista internacional de economia e negócios, como um dos “25 melhores laboratórios de inovação financeira” a nível mundial, em 2019. Na lista estão também nomes como o Barclays Accelerator, o Deutsche BankInnovation Labs, a PayPal Innovation Lab, a Santander-InnoVentures, o Wells Fargo Startup Accelerator e o StartupBootcamp.

Segundo o caderno dedicado às maiores plataformas de inovação, estes 25 laboratórios “são chamados por vezes de hubs ou aceleradores e assumem várias formas”: “podem ser hospedados ou patrocinados por órgãos públicos, corporações privadas ou ambos. Normalmente oferecem educação, instalações e oportunidades de networking“, acrescenta a publicação.

É naturalmente recompensador ver a Beta-i, de novo, numa lista tão restrita e prestigiada, o que vem validar o trabalho que temos feito. Estamos a ajudar a reconfigurar o universo financeiro, via fintechs, montando programas como o Pay Foward, com a SIBS, ou o Protechting, que envolve parceiros como a Fidelidade, a Fosun e o Hauck & Aufhäuser, um banco de investimento alemão”, explicou Pedro Rocha Vieira, presidente e cofundador da Beta-i, citado em comunicado.

Pedro Rocha Vieira acrescentou ainda que Portugal “pode servir como um ‘sandbox’ para novos modelos de negócio e conceitos na área financeira”. “Startups como a Feedzai, James ou a Keep Warranty estão também a fazer o seu caminho nesta arena, o que gera um caldo de cultura mais elevado”, sublinhou o cofundador da Beta-i.

Todos os anos, a Global Finance avalia os mais importantes centros de disrupção financeira, sendo esta a sua 7.ª edição. Para Joseph D.Giarraputo, “as instituições financeiras e governos de todo o mundo estão a criar novos espaços e modos de colaboração, de forma a executar da melhor forma a crescente tecnologia financeira”. O diretor editorial da publicação sublinha ainda que tanto aceleradores como laboratórios e centros de investigação “apoiam inovações que proporcionam benefícios aos bancos, aos seus clientes e à sociedade em geral, estimulando tanto os empreendedores como os líderes que se destacam no pensamento inovador”.

Existe uma oportunidade para países como Portugal se posicionarem para permitir a experimentação controlada destas tecnologias, especialmente no contexto da transformação digital dos bancos e do sistema financeiro, e acredito que o papel da Beta-i, fruto do seu compromisso com a inovação, passa cada vez mais por aí. Estamos bem posicionados para replicar esta experiência noutras geografias, e o facto de integrarmos o recém Grupo de Trabalho para a Cibersegurança também nos permite, não só o acesso, mas também a capacidade de influenciar e apoiar o desenvolvimento de boas práticas”, referiu ainda Pedro Rocha Vieira na nota enviada.

Em 2016, recorde-se, a plataforma Beta-i foi considerada a incubadora chave de Lisboa, pela revista norte-americana Wired.