Rádio Observador

Serviços prisionais

Grupo de Intervenção chamado à prisão de Setúbal devido a protesto de reclusos contra aumento de preços

A maioria dos reclusos recusou receber o almoço, como forma de protesto — o que levou a diretora da prisão a chamar o grupo de operações especiais. Os Serviços Prisionais negam essa intervenção.

Na semana passada, os reclusos da cadeia de Setúbal subscreveram um abaixo assinado contra o reajuste de preços

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP) da Guarda Prisional foi chamado a intervir no Estabelecimento Prisional de Setúbal, esta terça-feira, depois de vários reclusos se terem manifestado contra o aumento de preços dos produtos da cantina. Ao que o Observador apurou, a intervenção foi pedida pela própria diretora da prisão, Ana Paula Felicíssimo Ramos.

A tensão começou a escalar na semana passada, quando os reclusos da cadeia “subscreveram um abaixo assinado contra o reajuste de preços dos produtos da cantina“, esclareceu fonte da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) ao Observador. A mesma fonte confirmou ainda que, de facto, houve um “reajuste nos preços”, mas que houve também “outros [produtos] cujo preço baixa”.

A direção do Estabelecimento Prisional esclareceu ontem os reclusos de que este reajuste nos preços resulta de concurso para a aquisição de  produtos e que há produtos em que o preço sobe, mas também há outros cujo preço baixa“, disse ainda a DGRSP em resposta ao Observador.

Esta terça-feira, motivados pela ausência de respostas ao abaixo assinado, “a maioria” dos reclusos da prisão de Setúbal “recusou receber a refeição do almoço”. Segundo explicou a DGRSP, este protesto “atrasou, em cerca de 15 minutos, o encerramento geral“, adiantando ainda que a refeição do jantar de terça-feira e do pequeno-almoço já desta quarta-feira decorreu “com a normalidade habitual”.

O GISP é o grupo de operações especiais do Corpo da Guarda Prisional (Foto: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens)

Os Serviços Prisionais não confirmaram que o GISP tenha sido chamado, respondendo à pergunta do Observador de forma vaga: “Revela-se que se não registou qualquer alteração à ordem, nem houve necessidade de utilização de meios coercivos“. No entanto, o Observador contactou mais do que uma fonte que confirmou que o GISP foi chamado à prisão, tendo estado no local ao longo de toda a tarde — incluindo o próprio diretor de Serviços de Segurança, o intendente da PSP Manuel Gonçalves.

A situação não se agravou e não foi necessário usar a força para travar o protesto dos reclusos, que acabaram por voltar às celas no encerramento, por volta das 19h00. Uma fonte ligada ao Corpo da Guarda Prisional lamentou, em declarações ao Observador, que a situação não tenha sido evitada uma vez que a diretora da prisão foi avisada da existência do abaixo assinado (e das intenções de realizar-se um protesto), desde a sexta-feiraum facto que viria a negar, num discurso de agradecimento dirigido aos guardas depois de resolvida a situação. “Fui apanhada despercebida”, terá dito.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)