Alentejo

Alentejo tem “condições ideais” para atrair investimento na Califórnia

240

No âmbito do projeto Alentejo Global Invest, que decorre esta semana na Califórnia, José Calixto fala de uma economia do Alentejo "bem diferente" e de "condições ideais" para captar os investidores.

O projeto tem como objetivo principal a promoção externa do Alentejo em diversos mercados internacionais

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A economia do Alentejo “está bem diferente de décadas anteriores” e as infraestruturas oferecem “condições ideais” para captar o interesse de investidores da Califórnia, disse à Lusa o presidente da Associação de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL).

José Calixto falava à margem de uma missão de promoção dos clusters agroalimentar e portuário do Alentejo, que decorre esta semana por toda a Califórnia no âmbito do projeto Alentejo Global Invest.

Embora reconheça que “o Alentejo tem um caminho a percorrer em termos de notoriedade” e que a baixa densidade populacional pode ser encarada como um problema, o presidente frisou que esta é também uma oportunidade. “É um dos melhores locais do mundo para viver e queremos transportar isso para um dos melhores locais do mundo para investir”, indicou.

A comitiva portuguesa ligada ao segmento agrícola inclui a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA), a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA), a Cooperativa Agrícola de Reguengos de Monsaraz e a Associação dos Agricultores do Baixo Alentejo, além de uma dúzia de empresas do setor, em representação dos 110 mil hectares que a barragem de Alqueva está a irrigar.

“O Alqueva é uma das grandes infraestruturas que o Alentejo tem, com capacidades múltiplas, e temos que dizer ao mundo que a temos”, disse o presidente do conselho de administração da ADRAL, explicando que um dos objetivos é dar a conhecer as capacidades de uma região que não é tão conhecida como outras zonas agrícolas europeias.

Esta componente de promoção do setor agroalimentar alentejano está a ser feita com foco no vale central da Califórnia, onde existe uma grande comunidade luso-americana e a atividade agropecuária é dominante.

É precisamente nesta zona que decorre esta quinta-feira o seminário “Oportunidades de Agronegócio em Portugal”, organizado pela AICEP e EDIA na Universidade Estadual da Califórnia, Fresno, com a presença da cônsul-geral de Portugal em São Francisco, Maria João Lopes Cardoso.

“O agroalimentar expandiu exponencialmente nos últimos anos com o perímetro de rega da barragem de Alqueva”, afirmou José Calixto, referindo que está em curso um projeto de expansão com investimento de 550 milhões de euros que irá aumentar a zona de regadio em 40%.

“Esse terreno que vai ser irrigado é uma oportunidade para os que queiram apostar numa zona da Europa que está servida por um dos maiores portos de águas profundas, uma entrada no continente europeu, e uma ligação preferencial com a América por estar na ponta Oeste”, resumiu o presidente.

A expansão do regadio abrirá possibilidade de novas culturas “e, portanto, a aproximação com investidores californianos faz todo o sentido”, disse José Calixto.

“Temos que posicionar uma região emergente devidamente e esperar que os resultados apareçam com base nesse trabalho”, sublinhou.

É isso que está a acontecer na sequência de missões anteriores a outros países, sendo um dos exemplos mais recentes o da China, para onde a área agroalimentar vai exportar carne de porco no valor de 300 milhões de euros entre 2019 e 2020.

O presidente salientou a importância da AICEP nesta deslocação, referindo que a capilaridade e proeminência local da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal tem sido fundamental nas missões do Alentejo Global Invest.

O projeto, que é financiado pelo Programa Operacional Regional Alentejo 2020, tem como objetivo principal a promoção externa do Alentejo em diversos mercados internacionais.

Segundo explicou José Calixto, há a intenção de levar também à Califórnia o setor das novas tecnologias de informação, “com um conjunto de players que temos instalados no território e a possibilidade de captar novos investimentos.”

A outra componente da missão, que decorre paralelamente ao setor agroalimentar, visa promover o Porto de Sines como ponto de entrada das exportações de gás natural liquefeito dos Estados Unidos para a Europa, captar investimento das indústrias petroquímica e química para a Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS), e atrair interessados no concurso para o futuro terminal de contentores Vasco da Gama.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)