Rádio Observador

Bombeiros

Bombeiros profissionais mantêm protesto mesmo depois de Governo aprovar diplomas

O Governo decretou esta quinta-feira que bombeiros municipais passam a ter as mesmas categorias e remunerações que bombeiros sapadores. Mantêm o protesto pois protestam pretensões do Governo.

A manifestação está marcada para o dia 22 de maio

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais anunciaram esta qunta-feira que mantêm a manifestação agendada para o próximo dia 22, mesmo depois de o Governo ter aprovado diplomas relativos às carreiras e às aposentações.

Num comunicado enviado à Lusa, a Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP) e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais (SNBP) referem que mantêm a manifestação, “mesmo depois de o Conselho de Ministros ter aprovado hoje os dois decretos-lei referentes à carreira e à aposentação dos bombeiros sapadores e dos bombeiros municipais”.

A ANBP e o SNBP fazem saber que “desconhecem a versão final aprovada em Conselho de Ministros”, mas “a última versão que lhe foi apresentada, em reunião com o secretário de Estado da Proteção Civil, em 23 de abril, não ia ao encontro das pretensões dos bombeiros profissionais”.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que procede à aplicação aos bombeiros municipais das categorias e das remunerações previstas para os bombeiros sapadores.

“O diploma determina ainda a aplicação do regime da carreira dos bombeiros sapadores, previsto no Decreto-Lei n.º 106/2002, de 13 de abril, à Força Especial de Proteção Civil da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e à Força de Sapadores Bombeiros Florestais do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, com as devidas adaptações”, refere um comunicado do Conselho de Ministros.

Os bombeiros profissionais salientam, contudo, que, no que respeita à carreira, “não concordam com o articulado no artigo respeitante à disponibilidade permanente”, sendo que, “do mesmo modo, em relação à aposentação, ANBP/SNBP também contestam as pretensões do Governo”.

A ANBP e o SNBP defendem que “a idade de aposentação para os bombeiros, enquanto profissão de risco e de desgaste rápido, não pode, de forma alguma, ser de 60 anos, sob pena de os bombeiros não terem condições para prestar socorro às populações e de colocarem a sua própria integridade física em risco”. Por isso, apelam aos bombeiros profissionais para que adiram à manifestação de 22 de maio, “para contestar as pretensões do Governo no que diz respeito às reformas e à disponibilidade permanente”.

Depois de várias ações de luta, em 23 de abril, a ANBP e o SNBP terminaram as negociações com o Governo sobre o estatuto profissional e o novo regime de aposentação. No final, o presidente do sindicato, Sérgio Carvalho, disse à Lusa que 17 anos depois os bombeiros profissionais vão ter um novo estatuto profissional. Porém, os bombeiros profissionais contestaram a proposta governamental para que a idade de reforma seja aos 60 anos e para que sejam colocados em trabalhos administrativos nas corporações aos 55 anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)