Bombeiros

Bombeiros profissionais mantêm protesto mesmo depois de Governo aprovar diplomas

O Governo decretou esta quinta-feira que bombeiros municipais passam a ter as mesmas categorias e remunerações que bombeiros sapadores. Mantêm o protesto pois protestam pretensões do Governo.

A manifestação está marcada para o dia 22 de maio

Jose Sena Goulao/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Associação e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais anunciaram esta qunta-feira que mantêm a manifestação agendada para o próximo dia 22, mesmo depois de o Governo ter aprovado diplomas relativos às carreiras e às aposentações.

Num comunicado enviado à Lusa, a Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP) e o Sindicato Nacional dos Bombeiros Profissionais (SNBP) referem que mantêm a manifestação, “mesmo depois de o Conselho de Ministros ter aprovado hoje os dois decretos-lei referentes à carreira e à aposentação dos bombeiros sapadores e dos bombeiros municipais”.

A ANBP e o SNBP fazem saber que “desconhecem a versão final aprovada em Conselho de Ministros”, mas “a última versão que lhe foi apresentada, em reunião com o secretário de Estado da Proteção Civil, em 23 de abril, não ia ao encontro das pretensões dos bombeiros profissionais”.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira o decreto-lei que procede à aplicação aos bombeiros municipais das categorias e das remunerações previstas para os bombeiros sapadores.

“O diploma determina ainda a aplicação do regime da carreira dos bombeiros sapadores, previsto no Decreto-Lei n.º 106/2002, de 13 de abril, à Força Especial de Proteção Civil da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e à Força de Sapadores Bombeiros Florestais do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, com as devidas adaptações”, refere um comunicado do Conselho de Ministros.

Os bombeiros profissionais salientam, contudo, que, no que respeita à carreira, “não concordam com o articulado no artigo respeitante à disponibilidade permanente”, sendo que, “do mesmo modo, em relação à aposentação, ANBP/SNBP também contestam as pretensões do Governo”.

A ANBP e o SNBP defendem que “a idade de aposentação para os bombeiros, enquanto profissão de risco e de desgaste rápido, não pode, de forma alguma, ser de 60 anos, sob pena de os bombeiros não terem condições para prestar socorro às populações e de colocarem a sua própria integridade física em risco”. Por isso, apelam aos bombeiros profissionais para que adiram à manifestação de 22 de maio, “para contestar as pretensões do Governo no que diz respeito às reformas e à disponibilidade permanente”.

Depois de várias ações de luta, em 23 de abril, a ANBP e o SNBP terminaram as negociações com o Governo sobre o estatuto profissional e o novo regime de aposentação. No final, o presidente do sindicato, Sérgio Carvalho, disse à Lusa que 17 anos depois os bombeiros profissionais vão ter um novo estatuto profissional. Porém, os bombeiros profissionais contestaram a proposta governamental para que a idade de reforma seja aos 60 anos e para que sejam colocados em trabalhos administrativos nas corporações aos 55 anos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)