Rui Rio

Pedir ao PS para votar travão financeiro é como “pedir ao peru que vote a favor do Natal”, diz Rio

638

"Pedir ao PS que vote a favor de uma cláusula que vise pôr um travão financeiro é a mesma coisa que pedir ao peru para votar a favor do Natal", disse. Sobre Costa, Rio falou em "golpe de teatro".

Rui Rio referiu que a votação do travão financeiro esta sexta-feira será o "penúltimo ato da peça de teatro" de Costa

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do PSD disse esta quinta-feira não esperar que o PS vote a favor do “travão financeiro” para a recuperação do tempo integral dos professores, considerando que seria “como pedir ao peru para votar a favor do Natal”.

No encerramento da convenção temática do Conselho Estratégico Nacional do PSD dedicada aos Assuntos Europeus, Rui Rio voltou a referir-se à ameaça de demissão do primeiro-ministro, António Costa, como “um golpe de teatro” para “abafar a campanha das europeias”. “Amanhã [sexta-feira] teremos o penúltimo ato da peça de teatro, com a votação do travão financeiro. Pedir ao PS que vote a favor de uma cláusula que vise pôr um travão financeiro é a mesma coisa que pedir ao peru para votar a favor do Natal. Por isso, não tenho grandes expectativas”, afirmou”, perante risos da plateia.

Para o presidente do PSD, o “último ato da peça de teatro” acontecerá nos próximos dias, com o aparecimento de uma sondagem a dizer “que correu muito bem e vão ganhar as eleições”. Rui Rio referia-se à votação final global, na sexta-feira, do texto final da apreciação parlamentar do diploma do tempo de serviço dos professores, que deverá ser rejeitada por PS, PSD e CDS, caso se confirme a reprovação das cláusulas de salvaguarda financeira proposta pelos sociais-democratas.

O líder do PSD acusou Costa de “défice de sentido de Estado”, considerando que a obrigação de um primeiro-ministro é garantir a estabilidade e evocou o seu antecessor, Pedro Passos Coelho. “Em período económico muito difícil, o primeiro-ministro Passos Coelho fez exatamente o contrário”, realçou, recebendo um forte aplauso dos apoiantes.

No encerramento da convenção do CEN, o ex-ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional Miguel Poiares Maduro – que aceitou, simbolicamente, ser o último da lista do PSD às europeias – também se referiu aos acontecimentos dos últimos dias. “Um empresário que foge aos impostos não é um empresário de sucesso, mas um aldrabão; quem sabe de crime e não denuncia é um cobarde; um futebolista que cava um penálti é um batoteiro. Um político que inventa factos e se move apenas oportunismo nunca será um político de sucesso, será um homem sem princípios com ocasional sucesso político”, afirmou.

Poiares Maduro acusou o PS e o atual Governo de serem “os campeões do Photoshop” por continuarem a apagar as referências ao executivo de José Sócrates. “Ouvir o PS falar de responsabilidade orçamental é o mesmo que ouvir um pirómano apresentar um plano de combate aos incêndios”, acusou, manifestando estranheza por António Costa exigir à oposição uma responsabilidade que “diz nunca ter esperado daqueles que escolheu para parceiros de governação”.

Na semana passada, na comissão de Educação, PSD, CDS-PP, BE e PCP isolaram o PS e aprovaram o princípio de que os professores terão direito à recuperação da totalidade do tempo no período em que houve congelamento.

Perante este passo, o primeiro-ministro, António Costa, numa declaração ao país, na sexta-feira, ameaçou demitir-se caso esse diploma seja aprovado em votação final global, alegando ser “injusto” socialmente e “insustentável” do ponto de vista financeiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)